11 fevereiro, 2010

Alqueva. Afinal já mexe. (pouco, mas mexe) – III


Segundo a Bayer, os portugueses têm tomates, os alentejanos ainda não. Hoje, só havia tomate espanhol (todas as qualidades, todas: Cherry, em ramo, alongado e redondo) numa daquelas lojas perto de si. Entrei numa e vi. Veja também. Com o Alqueva, não só isso vai mudar como estaremos em condições de fornecer a “Tomatina” espanhola. Basta tê-los no sítio. Na região de Alqueva, como conta o Expresso, claro!

Continuando a cronologia do post de ontem, para dar suporte ao testemunho do Sr. Chalaça ao Expresso ( “O processo é lento porque se está a criar um destino novo”), passo a documentar:

  • 2000 Adjudicação da empreitada para a execução do primeiro bloco de rega do Sistema Global de Rega de Alqueva
    Neste ano termina o processo de regularização do uso da terra expropriada ou nacionalizada no âmbito da Reforma Agrária. O ministro da Agricultura Capoulas Santos encerra, assim, um longo caminho iniciado por António Barreto.
  • 2002 Encerramento das Comportas da Barragem de Alqueva e início do enchimento da Albufeira
    Neste ano é publicado um estudo que aponta para o facto de a barragem começar a encher e o Alentejo a esvair-se… de gente. O estudo (ver aqui) refere que entre 1991 e 2001, a região perdeu 5.746 habitantes, o que corresponde a uma taxa de variação de -0.73%. Esta variação negativa contrasta com a média nacional, que registou uma variação positiva de 4.96%. Cria-se um destino novo para muita gente, nomeadamente para os velhos que vão ficando por lá, já muito menos invejosos….
  • 2004 Inauguração da Central Hidroeléctrica
    Que passa a disponibilizar metade da energia planeada ou sejam 520 MW, o que corresponde a contribuir com apenas 0,18% da energia produzida em Portugal... Entretaanto, acentua-se o processo aquisição de terras na zona de regadio por empresas agrárias estrangeiras, em especial espanholas (algumas estimativas apontam para a aquisição de 20 a 25 mil hectares de terras), e face aos negócios especulativos feitos à custa das terras altamente valorizadas com investimentos públicos.
  • 2008 - A EDP assina contrato de 94 milhões de euros para a nova central hidroeléctrica
    Enquanto isso, a CNA faz propostas (ver Reforma da PAC - 2008). No seu enquadramento, aponta: “as Ajudas Directas - permitem aos maiores proprietários, aos mais intensivos produtores, à grande agro-indústria, continuarem a receber 95% das Ajudas Directas mesmo sem obrigatoriedade de produzir. Isto acontece, note-se, em época de grave crise financeira e económica e de crise alimentar...”
  • 2010 - Albufeira de Alqueva atinge cota máxima pela primeira vez e o Expresso pública o artigo que tenho vindo a comentar. Eu edito este post, denúnciando que o semanário omite a história e os seu heróis, insinua que é agora que se parte para um novo destino e faz um texto promocional digno do vídeo que os espanhóis editaram e que coloquei no post de ontem. Se, de facto, o comentador era o José Saramago? Não, não era! A única verdade é que ele afirma que ainda seremos uma região espanhola.

Amanhã colocarei o meu último post sobre o tema. Cá vos espero!