06 junho, 2010

"Dramatizadores" e "desdramatizadores", classificação de um certo tipo de imprensa, segundo Mário de Carvalho

Pássaro
Lurdes Pássaro
A ministra Lurdes Pássaro
Ela mesma. A própria. Pode ficar no estado desse pássaro?

Segundo informações, de alguém que conhece correntes e marés, a mancha de crude ameaça chegar à Europa. Foi dito por um "Homem ao Mar"!
Em mensagem "desdramatizadora", a ministra do Ambiente, citando as politicas da água e das energias renováveis, afirma no Expresso que "Portugal está no bom caminho". Portugal estará (eu até concordo), a mancha de crude é que não...
Só que a ministra, ao que parece, apenas lê semanários. Por isso não sabe o risco que corre se forem confirmadas as piores previsões.
Claro que Lurdes Pássaro não deu a maior importância ao artigo de um "dramatizador", publicado na pagina 40 e que tem por título: "Derrame pode agravar furacões". O expresso "esqueceu-se" mais uma vez de tratar do essencial, entrou numa de "aquecimento local" e seus efeitos sobre o clima, como resultado da incúria da BP (pena esta pérola da nossa "informação" não estar disponível online, veríamos como uma ameaça improvável, esconde uma outra bem possível...)

Voltando ao citado post do meu amigo MFerrer (link acima), repito a sua pergunta: "Quem vai pagar os estragos incalculáveis em todo o Atlântico Norte?". E coloco uma minha, que dirijo à ministra: "Quem vai pagar os estragos incalculáveis, se o crude chegar daqui a uns meses a águas nacionais?"

Nota: O título deste post não tem muito a ver com o texto. Tem mais a ver com o conteúdo dos artigos e de quem os produz segundo classificações que podem ser esclarecidas num meu outro post (que pode relembrar aqui).