14 outubro, 2010

Partidas e chegadas... O que faz você feliz?


As flores fazem acontecer muitas coisas... Por exemplo: uma rubra acácia faz acontecer conversas daqui e dali e daí a um desafio vai um passo... Fico surpreendido pelo esse desafio, expresso assim:

Partidas e chegadas...
O que faz você feliz?
--
Tenho que responder com imaginação, vejamos então:
--
__
--
A PARTIDA...
Contei a meu neto Diogo a viagem de 33 mineiros, tendo o cuidado de lhe explicar tim-tim-por-tim-tim o que era essa gente e onde ficava o Chile. Depois contei que todos saíram de casa para uma viagem, quase sempre dolorosa mas necessária e, porque a rotina a tudo habitua, terão saído contentes para a rua que os encaminhava à mina de San José. (Diogo acho que percebeu, pois seu pequenito nariz torceu). Continuei a contar a viagem para a mina que, sendo curta a descrição, me obrigou a pormenorizar as cenas de trabalho. Estavam todos eles nessa faina, quando de repente, acontece o acidente (até parecia que era ao Diogo que acontecia, tal era a expressão que ele fazia). Alerta geral. Estão bem? Estão mal? Às notícias de sobrevivência, a incerteza do salvamento... (Diogo de apreensivo passou a expressão de algum espanto a uma outra, de inquietação)...
--
A CHEGADA... (e as tais razões de felicidade)
Expliquei então a enorme mobilização. Esforços daqui e dacolá. Juntaram-se tecnologias e rezas, cantares e engenharias, para dar a toda a gente um regresso e as maiores alegrias (de espanto era a expressão quando entendeu o que foi tal mobilização). Depois deu-se o regresso e a desejada chegada, por todos festejada. O que me fez feliz? Tudo... e a cara do meu petiz... (claro que há outras coisa para além da viagem. Mas estas, não se contam a crianças...). Acabada a história, ouvimos juntinhos o Hino dos Mineiros, dos nossos, tão esquecidos (clicando no vídeo aí ao lado)...

(Faço minhas as regras do Carlos Albuquerque: Dizem as regras para copiar o selo e colocar o link do blogue desafiador. Já feito. Por fim passar o desafio a cinco blogues. Quebro a regra. Acho o desafio interessante. Assim, lanço-o a todos os que por aqui passarem. Vá, peguem nele e dêem largas à imaginação. Ah, outra regra, se aceitarem o desafio devem vir comunicar-mo. Valeu?)

21 comentários:

  1. Caro Rogério :)
    Pela cara do petiz, estou certo que o Diogo percebeu... fosse o mundo regido pelo seu sentir e tudo seria mais simples e mais humano sem meias-tintas onde cabe, em vez da afirmação e da certeza, a ambiguidade onde tudo encaixa, dúbio, sem nada adiantar e menos a chegar.
    Abraço aos dois :))

    ResponderEliminar
  2. "estou certa" - queria eu dizer, Rogério :)

    ResponderEliminar
  3. O Diogo só dá vontade de dar beijinhos nas bochechas!

    O texto está interessante.

    também tenho um desafio no "Compagnon-de-Route"...se quiser lá ir...

    Uma boa noite.

    ResponderEliminar
  4. ROGÉRIO..
    ele entendeu e mais que isso compreendeu o sentido de tua explicação.
    que maneira mais linda vc achou pra contar a seu neto um fato tão difícil, chocante e com um final feliz, graças a Deus.
    ele é lindissimo, parabéns.
    deixo bjuivos no teu coração e no dele.
    voltarei pra tentar participar dessa missão.no fim de semana.
    rsr

    ResponderEliminar
  5. Bonita maneira de contar uma trite história com um final feliz!
    Belo texto para chegadas e partidas.

    abs carinhosos
    Jussara

    ResponderEliminar
  6. Criança entende tudo, mas eu fiquei mesmo é com vontade de dar uma mordida na bochecha do Diogo, isso sim!Que graça que ele é.

    Parabéns pelo netinho fofo, Rogério.

    bjs

    ResponderEliminar
  7. Caro Rogério
    Li um pouco à pressa (a gente tem que trabalhar) mas notei uma falta na explicação.
    O papel de liderança daquele chefe de turno (Dom Lucho) que mostrou ao mundo que mesmo no fundo dum buraco é primordial alguem liderar, sem impôr nada à força, mas convençer que é preciso fazer e sobretudo dar o exemplo, como este homem até agora desconhecido fez até ao ultimo minuto.
    Exactamente o contrário do "salve-se quem puder" que vemos por aí.
    é por isso que acredito nos homens (na verdadeira acepção da palavra)
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Um desafio realmente muito interessante e que eu vou tentar estar à altura na próxima semana, porque esta já foi demasiado emotiva para mim ;-)
    Um post à altura do desafio, o que não é de admirar, porque o meu amigo sempre se supera.
    Um neto lindo, lindo, um avô atento e carinhoso, uma explicação perfeita, que mais posso acrescentar a não ser que só lamento o tempo cada vez ser mais curto por aqui, tantos blogues interessantes, tanta vontade de os acompanhar e o tempo a não deixar.

    Beijinhos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  9. Este fim-de-semana, será passado com o meu neto, Rafael, que vem lá do fundo do nosso mapa: o Algarve.

    Daqui a uns tempos, quando ele conseguir entender, espero contar-lhe sobre um país que esteve no fundo, mas que a força dos seus homens conseguiu trazê-lo à superfície...

    Abraço,
    António

    ResponderEliminar
  10. Só de facto o Rogério para ter um post com uma História tão triste com um final tão emocionante mas feliz, "usando" um neto lindissimo, que ao ouvir desde pequenino o avô a falar de coisas tão importantes talvez venha a ser um homem bom e inteligente tal qual o Rogério.

    Beijo aos dois

    ResponderEliminar
  11. O Rogério, diz terão saído de casa contentes, eu acho que não, quem vai para debaixo do chão nunca vai contente, porque leva no pensamento que pode já não voltar, e não estou falando no outro debaixo do chão.
    Eu tenho alguma experiencia disso andei seis anos lá por baixo, e nunca ia contente.
    Mas fiquei muito contente de ver estes homens sairem todos lá debaixo.

    O avô ao neto dizia,o neto comptreendia,a cara ele franzia,
    mas quando chegou ao fim, também ele sorria, parabéns ao avô e ao neto pela simpatia.

    José

    ResponderEliminar
  12. muito criativa sua participação, ainda mais com toda a simpatia e carisma de seu netinho!

    e esses pequenos conseguem entender de um tudo! a alma deles é enorme!
    bom dia!

    ResponderEliminar
  13. Não sei se eles o disseram, mas se eu tivesse estado naquele buraco bem lá no fundo teria gritado: alô Terra aqui Marte, tirem os portageiros do caminho que queremos viajar!
    Deambulação à parte, quero dizer-lhe, meu caro Rogério: bastar-me-ia ter visto e lido este post para que tivesse valido a pena a colocação do desafio na minha cubata.
    Não há quem segure esta imaginação...
    Também, isto aqui para nós, ter um netinho como o Diogo, que pela expressão do rosto diz ao avô o que escrever, é meio caminho andado, ou não é?!
    Abraço

    ResponderEliminar
  14. Amigo Rogério!

    Nessa chegada, ficamos todos muito felizes, mas efectivamente todas as expressões do petiz, perante tão minuciosa e entusiasta explicação, fazem a minha delícia.

    Tudo está bem quando acaba bem.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  15. Rogério

    Fez bem em não contar ao seu neto mais do que aquilo que contou. O que está escondido é tão triste que até eu não sei se suporto.

    O hino do mineiros é arrepiante de ouvir!

    Beijos e parabéns

    ResponderEliminar
  16. É pena eles crescerem tão rápido... tenho saudades dos tempos em que os meus filharotes ainda tinham essa idade... aproveite

    ResponderEliminar
  17. Sempre original a sua abordagem de temas "a pedido", e dos outros...
    As "ilustrações" são uma delícia.
    Uma das coisas que aprecio em si é esse enorme carinho pelos netos.
    ABRAÇOS

    ResponderEliminar
  18. belissimo. tudo...

    o Diogo é um galã!

    abraços

    ResponderEliminar
  19. Tão bonito e criativo Rogério.

    O Diogo é liiiiindooooooooooo!

    Beijos no Diogo

    :)))

    [Ando a maquinar meio de conferir junto dos netos se lhes dá os beijinhos que eu mando. Virtual sim, mas tia, ora bem]

    ResponderEliminar
  20. Caro Rogério, a sua imaginação transcende-me. Quem se lembraria de a partir de um simples selo, contar uma história real e de final feliz, ao netinho? Só o Rogério :))
    O Diogo é delicioso, assim como o seu post.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar