12 dezembro, 2010

Homilias dominicais (citando Saramago) - 19

Os caminhos do seu navegar cedo constituíram uma atracção irrecusável
de percorrer os meus e dos contar com palavras que procuro próximas das suas

Julgava, quando decidi escrever o meu livro, que o facto de não ter preocupações de escrever a história me libertava da responsabilidades normalmente atribuíveis a um historiador. José Saramago fez-me mudar a minha opinião e, pela compreensão do “efeito borboleta” que se inscreve na teoria do caos, posso admitir que todos aqueles acontecimentos narrados por mim poderão explicar, por si sós, a queda do império colonial. Não, não estou a ver-me grande demais. Esses acontecimentos que descrevo é que poderão ter tido uma importância muito maior que aquela que eu próprio lhe atribuía inicialmente(*)

HOMILIA DE HOJE

A coerência no caos - "A nossa relação com o tempo faz-se por intermédio de algo a que chamamos História e a História é algo que se escreve como consequência da eleição de dados, datas e circunstâncias que vão ser organizadas pelo historiador para que toda essa pilha de informação seja coerente consigo mesma. A História não seria mais que a tentativa de introduzir a coerência no caos dos múltiplos factos de todos os dias."

In José Saramago nas Suas Palavras