09 janeiro, 2011

Homilias dominicais (citando Saramago) - 23

A minha Homilia Dominical de hoje, dia do "inicio" da campanha eleitoral, não ignora o próximo acto e divulga uma sondagem. A ficha técnica é clara quer quanto aos critérios seguidos quer quanto à elevada fiabilidade. Perguntei apenas aos inquiridos em quem iriam votar. Os resultados não são de espantar...


Imagem do estado de espirito dominante nos eleitores, em cada classe social (ver aqui dimensão das classes sociais Marktest)

Quanto à questão, vejamos os resultados e a sua análise:

  1. A classe A, cerca de 5,5%, isto é, todos, afirmam que não há nada que os rale, que o sistema democrático está a funcionar, as instituições também, recebem prémios e dividendos. Porquê mudar. Todos em Cavaco vão votar
  2. A classe B, 11,9 %, isto é, também todos, afirmam que Cavaco Silva é sério - pouco se ri - ele é a garantia de Pedro Passos Coelho poder mudar a Constituição que consideram quanto ao desenvolvimento o principal travão. Acham que Cavaco está práticamente eleito e votam nele pois lhes dá muito jeito...
  3. A classe C1, 24,9% de mortais, encontra-se dividida e não sabe o que fazer da vida. Andam a ler o "Ensaio sobre a lucidez" mas para entender aquilo faltam-lhe bases do português. Grande parte acha que vai votar em branco pois custam a admitir aquela história lá do banco.
  4. As classes C2 e D, que somadas dão 57,7% da malta toda, criaram-me problemas de tratamento dos dados que não consegui ultrapassar: Listei 724 acontecimentos recentes que os preocupa. Grande parte desses problemas aparecem incessantemente nos semanários que as classes A, B e C1 andam lendo. Como síntese poderei resumir: “Isto tudo está uma valente merda” e enquanto a classe C2 se limita a mostrar o desânimo por ser essa a situação a D está visivelmente zangada. Esta está em evidente minoria e só ela sabe em quem votaria. Uns por militância e outros por alegria...

    Ficha Técnica: Foram inquiridos 9 milhões de portugueses, via telemóvel. Os desempregados viram as suas respostas anuladas para não dar um tom demasiado pessimista aos resultados globais. Foi aplicada uma metodologia assente nos critérios usados pela Marktest no que se refere ao dimensionamento das classes sociais. A análise de resultados segue metodologia própria designada por Marktestista. Não tem nada de marxista embora, em sonância, o faça lembrar (apesar de fazer arranhar muito mais o aparelho auditivo).

HOMILIA DE HOJE

"...em toda a verdade humana há sempre algo de angustioso, de aflito, nós somos, e não estou a referir-me simplesmente à fragilidade da vida, somos uma pequena e trêmula chama que a cada instante ameaça apagar-se, e temos medo, acima de tudo temos medo."

José Saramago in "Ensaio sobre a lucidez", retirado daqui