02 dezembro, 2011

Estarei lá, "No Outro Lado do Cais"

No tempo em que crescíamos

a noite bramava tão parda
que nem parecia noite
 .
De súbito um frémito de luz
pestanejou nos mastros do cais
o mar restolhou
.
e eu vi claramente
os teus olhos remoçados
alumiarem as águas
.
Após tantos relâmpagos vividos
julgavas estar preparada
para voar
 .
mas os pássaros ainda aprendiam
a ter asas


Hoje, ao fim da tarde... não sei se ouvirei este poema. Serão outros? Que sejam, estejam eles no lado certo da vida... (e vão estar)

14 comentários:

  1. Os blogistas escrevem sobre aquilo
    que gostam, aquilo que os rodeia, aquilo que faz parte do seu dia a dia.
    Eu, por exemplo, conheço muito bem o director do museu de Wuppertal, mas NUNCA ouvi falar de um Eufrázio Filipe!!!

    Deixei um comentário no post:
    Restauração? Qual restauração?

    ResponderEliminar
  2. Cara Ematejoca

    A ignorância e o ódio são piores que o ópio

    (Não conhecer um Mar Arável e odiar Pilar são requisitos que orgulharão a srª Merkel. Um dia há-de acontecer a Restauração...)

    ResponderEliminar
  3. Ignorante ou não, continuamos amigos.
    Não é verdade, Rogério?!

    A Angie não odeia a Pilar, uma vez que nem sabe quem ela é.
    OUTRA IGNORANTE!!!

    Meu Deus, o mundo está repleto de ignorantes e de traidores à PÁTRIA!

    ResponderEliminar
  4. Como gostaria de estar presente!...
    É uma poesia com particularidades especiais que muito aprecio.

    Um beijo

    Lídia

    ResponderEliminar
  5. Gostei do poema. Particularmente dos dois últimos tercetos.

    Vou ver se consigo deixar no blogue umas palavras.

    E o seu? Estou à espera.

    Beijo

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. É preciso Poesia...quantas mais, melhor! Não somos afinal um país de poetas?Estava a ver que o "10 de Junho" era tambem eliminado...Já não temos República, nem Independência...só faltava "matar" outra vez o Luis de Camões...
    Muito sucesso para o autor do livro "No outro lado do cais", cujo poema me "aguçou" o apetite!! Lindissimo!
    Bjs e bom fds.
    Graça

    ResponderEliminar
  8. Isto de viver longe do centro e de trabalhar o tempo todo...paralisa-me por aqui.


    Bjs

    ResponderEliminar
  9. ...
    mas os pássaros ainda aprendiam
    a ter asas.

    Um poema lindo, que fala das vivências de infância.
    Pena que este meu pássaro não possa voar para aí!
    Desejo as maiores felicidades, ao livro e ao seu autor.

    beijinhos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  10. Vim de lá
    e sem escolher, deixo-vos com um dos poemas lidos:


    Não sei quem és
    mas pelos gestos vieste por bem
    rasgar o vento com as mãos
    a neve dos meus cabelos

    e eu cansado de florestas apócrifas
    das palavras em bando
    comecei a plantar árvores

    vi os pássaros regressarem em acordes
    à luz das noites que não dormem

    Na partilha de horizontes
    o amor é revolucionário

    voa ousa nos mastros mais altos
    garatuja búzios de sons
    intervem por causas
    muito para lá das utopias
    e se levanta resiste
    ao pôr do sol

    mesmo que os barcos entristecidos
    estilhacem nos espelhos da água
    algumas pedras com vida por dentro

    Registo por um instante
    o ar que nos move

    pinto com a boca
    uma flor vermelha
    nas paredes do cais

    ResponderEliminar
  11. Muito bonitos os poemas! Vou lá elogiar a autora.

    Obrigada por nos dar conhecimento de mais um(a) poeta.

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  12. Rogério,

    Que pena não ter andado ontem por aqui a horas tardias, mas ainda dei uma saltadinha ao Mar Arável, já conheço outros livros do Eufrázio e este é concerteza mais um grande livro de poesia.
    Para a nossa amiga ematejoca, queria dizer que se conhece muito bem o director de um simples museu de Wuppertal, nós conhecemos por cá um Eufrázio Filipe que para além de um excelente poeta já com uma extensíssima bibliografia, não foi um simples director de museu, mas um Presidente de uma Câmara Municipal deste país durante 24 anos.

    E peço desculpa ao nosso amigo se ele não queria que o dissesse, mas estamos aqui também para ensinar alguma coisa aos outros. Também aprendo e só aprendi estas particularidades depois de há muito tempo apreciar a poesia do Eufrázio e de conhecer os seus livros, mas são particularidades que parece terem muita importância para a nossa "amiga" ematejota.

    Beijos
    Branca

    ResponderEliminar
  13. Brancamar,

    Bem dito. Mas não vale a pena voltar-lhe a dizer nada. Está aculturada...

    ResponderEliminar