26 janeiro, 2012

O sucesso escolar... o amor aos livros... e o (muito) mais que adiante se verá...

Ontem desloquei-me à Assembleia Municipal do meu concelho (Oeiras). Entrei já ia a sessão adiantada e o Prof. David Justino estava no uso da palavra (*). Sentei-me, estava num tema estimado. O ex-Ministro dizia com amargura (que me parecia sincera) que uma pequena escola de um pequeno concelho e aprazível lugar, como é a vila de Contãncia, não conseguia fixar 70% dos professores. Estes, quando estavam adaptados e com a cultura da escola interiorizada, partiam. Partiam mesmo querendo ficar... Fiquei mais um pouco e logo decidi que o post seria dentro do tema... Metendo hoje as mãos nessa massa, fui ao blogue Terrear (coisa que sempre faço, quando os temas andam por onde este anda). Claro que me comoveu o que lá vi, mas não arredei um milímetro do que lá me levou e trouxe isto: 
"Há uma fórmula para o sucesso? Embora todos gostássemos muito que houvesse, o facto é que não há! Hoje, nas duas conferências sobre o mesmo tema (que aqui já referi) houve mil evidências de que não há uma fórmula. Há, certamente, uma combinatória de geometria variável que é preciso procurar, testar, monitorizar e avaliar. Há algumas certezas. Não precisamos de estar sempre a inventar a roda. Mas uma resposta de tamanho único, não há. Isso foi sempre o "sonho" do sistema burocrático e hipercentralizado. Que parece persistir (para mal dos nossos pecados)... "
O texto citado foi afirmado num fórum e lá, no Terrear, está escrito o resto (que vale a pena ir ler)... Mas o que me pergunto é porque é tudo tão complicado quando me parece tão simples se visto isto: 


Ah, o livro?... vejam como essa escola ensina a dar-lhe estima...

(*) David Justino apresentava, à Assembleia Municipal de Oeiras, as conclusões do estudo ESCXEL