21 janeiro, 2012

Ontem, tive uma "Noite com poemas" e de descobertas...

.
Poema da Malta das Naus 
.
Jorge Castro, já vosso conhecido, convidou-me para uma "Noite com poemas". Fui. Ofereci-lhe o meu livro com uns dizeres reconhecidos pois aceitou ler, dele, palavras minhas, como ele as sabe dizer. A sala, diversa e repleta, alinhou-se para um serão de emoção. A filha de Rómulo de Carvalho, Cristina, falou sobre o pai e leu passagens comoventes. Outros disseram poemas e falaram da obra, do homem, do cidadão. Alunos seus deram testemunho do pedagogo, do professor. Outros lhe sublinharam a dimensão do homem apaixonado pelo conhecimento... Um serão que pareceu talhado para nos despertar a sua lembrança e o seu exemplo, para além do amor à palavra, ao verso, à poesia. Hoje revejo o que lá vi o ouvi, procurando elementos para documentar o que queria eu dizer. Encontrei não tanta documentação quanto Gedeão merecia que tivesse, pois foi obra imensa. O site, dá uma ideia. Uma ideia aproximada e recomendo que seja visitado. De lá, recomendo a apreciação critica que lhe faz Urbano Tavares Rodrigues, sem adjectivar tal escrito. De lá, retiro esta quadra. Do porquê de o fazer, não digo nada. Não necessito de o fazer, digo apenas que me reconheço nela (tal como Meu Contrário e Minha Alma)
.
 « Chamei o meu ser que pensa 
para ralhar com o que sente 
Sempre que os ponho em presença 
sorrio, piedosamente.»
.
-------------------------------------------------------António Gedeão


As fotos do evento, aqui