04 janeiro, 2012

Pingo Doce, loja de conveniência? Não é fácil...

Ainda muito se falará do que, efectivamente, está em causa. Em vários planos: no financeiro e fiscal; no plano moral e ético; no plano politico; no da responsabilidade social. A primeira reacção é de estupefacção. Estupefacção inusitada, como se pudesse esperar que o capital tivesse Pátria (ou Mátria) e fosse solidário... Pessoalmente reagi como o jumento, pronto a boicotar, retaliando. Pensei em transformar a loja, que me fica a cem metros de casa, em loja de conveniência e onde passaria a comprar o que me esquecesse de fazer em um outro lugar. Mas qual? Num raio de mil e quinhentos metros existem cinco lojas da Jerónimo Martins. CINCO. Cinco que secaram tudo à volta. O grupo não dá ponta sem nó e decide no momento certo. Não tem (real) concorrência e tem os fornecedores e a produção na mão... Entretanto percorri a área e dei com algumas lojas "sobreviventes". Fiz algumas compras e ...perco dinheiro. Mas não desisto à primeira... tenho que fazer bem as contas, compará-las num mês inteiro... Mas não vai ser fácil...

Uma loja que promete... fiquei maravilhado com a qualidade da peixaria... 


Um talho onde apetece comprar, perto do Pomar...