17 agosto, 2012

A Dª Esmeralda e a vizinha do 4º andar, a conversar - (11)


A dona Esmeralda desfaz-se em elogios aos islandeses...

Vizinha do 4º andar - Mas porque raio, por cinismo, o Passos também devia apontar o destino? E que destino é esse, pode saber-se?
Dona Esmeralda - Esse coiso manda a juventude para fora, que a mande para a Islândia, já agora....
Vizinha do 4º andar - Para a Islândia? Aquela ilha pequenina, que não respeitou compromissos, nem pagou o que devia e que se esperava que desse o estoiro? O meu Tó ir para lá? Longe vá o agoiro!
Dona Esmeralda - Sua alma vai ficar parva. A ilha está salva. Salva e a respirar saúde. Não pagou a dívida? Mas se a dívida era só falcatrua, dinheiro mal ganho... sabia que há ex-governantes a responder em tribunais? E sabe quem salvou aquele país? O povo! Primeiro, vieram para a rua e fizeram tal estardalhaço a reclamarem ser ouvidos, a pedir um referendo e essas coisas que nem eu própria entendo. Depois votaram em pagar só o que era legitimo e realmente devido... Foi bonito de ver: o país a crescer e os credores a arder...
Vizinha do 4º andar - Verdade?
Dona Esmeralda - É como lhe digo...
Vizinha do 4º andar - Então... eles lá, fizeram o que os comunas dizem para se fazer cá
Dona Esmeralda - Ao que parece...
Rogérito (interrompendo, naquele preciso momento) - Vão dizer que não é nada disso. Que cada caso é um caso. Que a Islândia é diferente. Que não é como o que se passa com a gente... Os jornais vão ficar calados e o país vai-se partindo em bocados!

NOTA: Ao que parece, apenas o Público publicou. O Rogérito quase acertou.