03 setembro, 2012

Geração sentada, conversando na esplanada - 11 (Estado de Direito)

(Ler conversa anterior
...“a crónica má gestão dos dinheiros públicos”, aliada “ao concubinato entre certas empresas e o Estado acabaram por gradualmente destruir a economia e a capacidade de produção de riqueza”, que desembocou no “resvalar da incompetência e do desleixo para formas de corrupção sistémica incontroláveis com o consequente e descontrolável endividamento público” - Maria José Morgado (Directora do Departamento de Investigação e Acção Penal).

Oiçam-me! Vejam só esta gaja!!... 
 e brandia no ar o iPad a dar, ao lido, efusivo alarde 

A Gaby estava em euforia e brandia a sua recente tecnologia interrompendo o grupo, que na mesa, usavam outra, mais atrasada, mas com funcionalidades suficientes para manter toda a gente ocupada. Oiçam-me! Vejam só isto!! E colocou o video a correr com o som bem elevado, o mais alto que a tecnologia deu. E a voz bem timbrada da Cândida varreu toda a esplanada Todos, elas, eu, o senhor engenheiro e o seu rafeiro e até uma velhota que ia a passar, parou para escutar.
- "Não sei qual é a admiração, a gaja tem razão. Não somos um país de corruptos. Somos... (e suspendeu por segundos a frase até descobrir o que dizer e o que julgava ser). Somos um Estado de Direito!"
- "Mas a corrupção grassa por todo o lado... li isso num relatório recentemente publicado " disse a Teresa que, assim, respondia à Rita. "E o que é lá isso de Estado de Direito?"
- "O estado de direito é aquele no qual os mandatários políticos eleitos são submissos às leis promulgadas." atalhou a Ana não perdendo a oportunidade para ostentar a sua wikipédica cultura.
- "Pois!, está tudo explicado. A Cândida veio trazer o recado aos "boys" em formação: façam leis adequadas e assegurem quem as saiba interpretar. Depois disso nada terão que recear... nem há um único corrupto na choldra... ela sabe da poda!"
- "Eu conheço um blogue...", interrompeu timidamente a Teresa
- "Tu? Tu nem tens computador..."
- "Tenho o do meu irmão... e aí conheci um blogue que fala disso. Fala que a deusa da justiça derrama lágrimas de sangue por tudo o que se está a passar..."
- "E como se chama? Qual é o endereço?", pergunta a Gaby com o seu iPad em riste e pronta a procurar logo ali.
- "Chama-se Conversa Avinagrada e mostra a Thémis chorando sangue!"
Meu coração deu um baque. Sorrateiramente pirei-me da explanada, mas de forma desastrada e pisando o cão. Este, em vez de ganir, lançou-me um olhar de compreensão.