15 setembro, 2012

Um mar de gente, um grande rio varrendo Portugal de lés-a-lés...

I

Ir foi um acto voluntário. A maioria terá estado por decisão individual, mas ao reconhecer que outros também estavam (e foram tantos), tiveram talvez uma primeira experiência ao se reconhecerem nessa multidão. Talvez tenham tido a consciência de um poder até aí desconhecido. Se tal aconteceu, que volte a ser utilizado. O pacto tem mesmo que ser rasgado!

Da volta dada aos blogues e amigos do facebook, não resisto em endereçar para este texto, em "O Meu Mundo Cor de Rosa", boa reportagem, excelente prosa... 

11 comentários:

  1. Em Braga foi assim:)http://youtu.be/u1dFaSKanOg
    e encontrei a Lídia:)

    ResponderEliminar
  2. Eu fui da Praça José Fontana à Praça de Espanha!
    E senti que Portugal acordou!

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Senti o eco e vibrei de emoção.
    Infelizmente, no distrito de Viana do Castelo nada aconteceu.
    Será que não há crise cá por cima???
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. bem só 'desculpo' porque disse que tinha sido uma boa reportagem. duvido mas pronto ahah
    beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Ponto nº 1: O DIREITO AO VETO DE QUEM PAGA
    .
    Votar sim!
    … mas…
    Votar não é passar um cheque em branco!!!
    Leia-se, O CONTRIBUINTE TEM DE DEFENDER-SE: o cidadão não pode ficar à mercê de pessoal que vende empresas estratégicas para a soberania – e que dão lucro (!?!?!) -, e que nacionaliza negócios “madoffianos” (aonde foram ‘desviados’ milhões e milhões); ex: BPN.
    -> Democracia verdadeira, já! -> leia-se, DIREITO AO VETO de quem paga (vulgo contribuinte).
    [veja-se o blog «fim-da-cidadania-infantil»]
    .
    .
    .
    Ponto nº 2: EM VEZ DE PROPOSTAS DE AUMENTOS... PROPOSTAS DE ORÇAMENTOS
    .
    Explicando melhor, quem apresentar propostas que mexam (aumento da despesa) no orçamento de Estado... terá que avaliar os custos das mesmas... e terá de dizer quem é que as irá pagar: aumento do deficit... ou cortes em determinadas áreas (nota: terão que dizer quais!)... ou mais impostos.
    Leia-se:
    - sociedade não pode fazer cedências ao Terrorismo_CGTP -> face a uma entidade pagadora em deficit (leia-se Estado), o Terrorista_CGTP apresentava propostas de aumentos - e não - propostas de orçamentos... leia-se, queria mais dinheiro não importa vindo de onde... leia-se, jubilava quando os aumentos vinham... e... varria para debaixo do tapete o facto da entidade pagadora ter necessidade de pedir dinheiro emprestado a (perigosos) especuladores, e necessidade de vender activos...

    ResponderEliminar
  6. Foi sem dúvida um mar de gente, também aqui pelo Porto, foi um renascer da esperança, a esperança de que ainda estamos acordados e somos capazes de fazer História.

    Beijos, Rogério.

    ResponderEliminar
  7. “A paz não é apenas a abstinência da guerra. A paz é a presença da justiça. E se a justiça não é cega em relação à raça, à cor, religião e espécie, ela é uma arma de terror” Philip Wollen

    ResponderEliminar

  8. Quando Passos nos vier falar começando o discurso com o habitual "os portugueses compreendem..." diremos que sim... Sim, os portugueses compreendem e isso será o fim do governo déspota que lidera.

    Lídia

    ResponderEliminar
  9. Foi um dia de aprendizagem para muitos. Que dia extraordinário! Foi pena que tenha sido preciso tanto.

    ResponderEliminar
  10. Espero e desejo que seja o início de uma nova era.
    Senti e renasci de novo.

    beijinhos

    ResponderEliminar