22 janeiro, 2013

A REFORMA DO ESTADO, Prós e Prós com os Contras à procura de pontas....



Foi no Domingo... a dada altura, há uma criatura presente que lança a imprecisão de um tal jornal alemão (Der Spiegal) ter escrito, há mais de um ano, mas sem precisar quando, que a economia tinha que ir para o galheiro. Falou-se em reduzir, não precisava o quê, 20 ou 30%, o que é obra. Boa!, pensei, agora alguém pega nisto para desmascarar a tramóia. Talvez o Canotilho. Talvez o Póvoa... Qual história, passaram que nem gatos sobre brasas sobre essas tremendas "previsões" e enveredaram por elucubrações, cada qual com a sua opinião, mas batendo (quase) todos na tecla da "desatualizada" Constituição... Eis senão quando, o parvo "de plantão" (sem querer) lança a claridade: 
"se o produto interno bruto não fosse os actuais 150 mil milhões e fosse 200 mil, os 10% de despesas de saúde eram mais que suficientes" para cuidarem das nossas gentes, em condições decentes"
Pois é exactamente essa a discussão necessária e urgente. O resto é frete à troika e fingir que se anda à procura do consenso... para coisa que já está alinhavada e há muito planeada...

PS: Nota positiva (à tangente) para Sampaio da Nóvoa e Gomes Canotilho, mas que não chega para salvarem "aquilo"...