14 janeiro, 2013

O mail


Não me julgo diferente e penso que a todos acontece deixar de ter presente coisas que nos preencheram por termos preenchido momentos de outros. É bom beliscar a memória, dos outros e a própria. Passou tempo e já não me lembrava até que um mail mo veio lembrar. Dizia assim:
Olá Rogério, boa noite! 
Faz tempo que ando para te escrever, mas, umas vezes a minha alma , outras o meu contrário, não se têm entendido de modo a espicaçar o meu "eu" para que este se decidisse, finalmente, a dizer-te de quanto apreciei o teu livro, que li há aproximadamente um mês... 
Sabes?, conseguiste "mobilizar-me", i. é, deste-me uma visão inesperada da guerra que não vi nem vivi (mas senti na pele dos outros), mas onde perdi quatro Amigos.
O acaso -que te hei-de explicar- decidiu poupar-me e fez de mim, um "corpo" que não foi fardado (salvo os primeiros seis meses), não obstante me ter obrigado a ser um "não civil" durante três anos, três meses treze dias e meia-hora.
Gostei, aliás gosto, da tua escrita escorreita e da forma clara e objectiva como descreves um quotidiano doloroso e as suas pequenas/grandes vicissitudes.
Ler a guerra através de interpretação vestida de bata branca, a salvar vidas, é muito diferente do que saber dela de camuflado a tirar vidas, ainda que em legítima defesa. Acredita que cheguei a comover-me com as tuas palavras e retive -imaginei- muitos detalhes, que estão para além das "estórias", especialmente pelo pudor, sensibilidade e subtileza que soubeste utilizar nas (não)descrições e na maneira com preencheste muitas das entrelinhas. 
Felicito-te por tudo e agradeço-te, porque só o talento do escritor que és pode aguçar o talento do leitor que eu sou.
Não sou de muitas palavras, nem crítico literário, como sabes, mas estas que aqui deixo são sinceras e sentidas.
Temos tantas coisas em comum e, já agora, mais uma: Também nasci em Fevereiro de 1945, a revelação da data fica para o próximo encontro com os nossos Amigos. 
A minha guerra(?) foi diferente, durou uma página e se tivesse um subtítulo seria "Corpo que não foi fardado". Aqui te deixo o link: 
Um forte abraço e votos de tudo de bom para ti e para os teus. 
E foi com o ego inchado que fui ler o texto que me tinha mandado. Vá também!