15 abril, 2013

Mar Arável diz-me: "não és convidado, és cúmplice". Serei cúmplice!


Talvez ler-lhe, de enfiada, todos os títulos da obra fosse uma surpresa surpreendente. Talvez vá colocar Minha Alma a falar do desassossego e a emoção de o ler. Talvez vá dar voz a esse meu outro, o Meu Contrário, e coloca-lo a discorrer sobre o "Chão de Claridades" e o significado da metáfora. Talvez,  por momentos, habitar-lhe a "escarpa" para tentar ver com os olhos dele as tais claridades. Talvez eu encontre a atitude, a palavra certa para corresponder, exactamente, aquilo a que o meu amigo chama "cumplicidades". Talvez tudo isso ou outra coisa, que consiga arrancar da plateia, que se pretende cheia, esperados e cúmplices sorrisos. 
Vai ser bom estar. Esteja também.

10 comentários:

  1. Grato pela tua participação

    Desejo que seja um belo
    vagaroso instante

    Abraço amigo

    ResponderEliminar
  2. estamos convocados pela amizade.
    ... e sob o signo de "25 de Abril"

    a poesia saiu à rua. por momentos -breves que sejam...

    abraço

    ResponderEliminar

  3. Façam brotar claridades deste chão cego.

    Como gostaria de estar nessa plateia!
    Não me sendo possível felicito daqui os cúmplices.

    Lídia

    ResponderEliminar
  4. Será uma cumplicidade radiosa e solarenga, por certo.
    Tenho muita pena de não poder estar presente e beber dessa claridade. Deixo os meus votos de muito sucesso.

    ResponderEliminar
  5. Reclamo para mim e para a Lídia uma apresentação no Norte e para outros tantos que gostam de poesia como a do Eufrázio, que nos leva ao infinito da vida...

    Beijos

    ResponderEliminar
  6. Terei muito gosto em estar presente, tentarei. A poesia do Eufrásio é marcante.

    abraço a ambos
    cvb

    ResponderEliminar
  7. Lá estaremos, solidários e participantes.

    ResponderEliminar