28 dezembro, 2013

O ano de 2013, para memória futura - I

...nunca poderia Minha Alma olhar nos olhos o Meu Contrário se Eu não me tivesse decidido. 

Este ano, velho e refunfelho, incluiu actos meus e factos que merecem ser lembrados. Podia referir alguns que jazem, aí ao lado, no baú das memórias. Escolho o que tem a ver com a alteração do meu estado, até porque a partir dessa altura este espaço deixou de me ocupar o tempo que lhe dedicava*, afastei-me um pouco dos amigos e passei a privar menos com a família. Se valeu a pena? A pergunta não faz sentido, nunca poderia Minha Alma olhar nos olhos o Meu Contrário se Eu não me tivesse decidido. 

Nunca se questione o porquê de um acto de cidadania, faz mais sentido questionar pela sua ausência...

*Como exemplo, estes dois últimos dias foram passados a preparar e a participar numa importante Assembleia de Freguesia (dar luta, dá trabalho)