09 outubro, 2014

Blogar ou facebookiar, é questão ou não?


Pode-se com uma pedra pregar um prego, dispensando um martelo? Poder, pode, mas não é mesma coisa... e o risco, sendo grande para qualquer inábil no uso de qualquer utilitário, ele é maior se não usar a ferramenta adequada... e se o dedo atingido for o polegar, até pode acontecer colocar um "gosto" sem poder evitar um esgar...
Mas, caso se siga este raciocínio estamos a afastar-nos da questão principal e esta é a de haver ou não antagonismo entre a blogosfera e as redes sociais. Quanto a mim não há. Percebo que um complemente o outro, e faço, eu próprio uso dessa complementaridade. Mas há vocações de origem que não devem ser esquecidas: os blogues foram ferramentas criadas para permitir a um leigo, construir um portal. O facebook, responde a outras exigências do processo de comunicação e, neste, são as potencialidades da rede no que se refere à (enorme) capacidade de poder convocar (e não estou a falar, apenas, na criação de eventos) "amigos" para a leitura de uma mensagem, ou para um destaque, qualquer que ele seja. 
Mas há entendimentos diferentes, por exemplo: um blogue (enquanto portal) é mais adequado ao desenvolvimento de uma opinião, à sua sustentação, à análise, à demonstração do que está a ser opinado e/ou divulgado. Pensar em usar o facebook para tal? Até pode ser. Não comecei eu por afirmar que até com uma pedra se prega um prego?
Não vejo que blogues/sites de referência se pudessem  transferir para as redes sociais mantendo as características que deles deram a projecção que hoje reúnem. Apenas alguns exemplos, muito distintos quanto a temáticas: 
 Dão trabalho, mais do que escrever "entre uma e outra colher de sopa", mas também não podemos prescindir de quem assim o faz (e bem) rejeitando andar pelas redes sociais, pois cada poema que escreve é uma tese...

Tudo isto é discutível. Está pois aberta a discussão!