07 dezembro, 2014

Geração sentada, conversando na esplanada - 78 (90 anos de um homem que ficará na história, não pelo que fez mas pelos resultados dos seus feitos)

(ler conversa anterior)
«A televisão mente porque quem vê não decide a direcção que o olho toma em relação aos acontecimentos. Essa decisão está já tomada por outros - e é essa a decisão que é colocada à nossa frente. Ver televisão não é ver o acontecimento, é ver uma visão (uma outra visão, uma visão de outro).»
Gonçalo M. Tavares, hoje, no Notícias Magazine
«A Europa e o mar em frente
mapa de desdém e ranço,
olha para as mãos terrosas
deste povo que já não chora lágrimas de nuvens no céu,
bicho cálido
semeador de pátrias
que trava em fim sua batalha
num desafio
de querer dar terra a quem trabalha
para destruir o frio.

Entretanto
a Europa, na indiferença lilás
das civilizações melindrosas
- que faz?

Espera
que o terror do inverno disfarçado de rosas
atraiçoe a primavera»
José Gomes Ferreira, "Entretanto"
in Seara Nova/Outono 2014

A ponta de sol deu para aliviar a roupa. Se estava frio só um ou outro o sentiu. O velho engenheiro mexia vagarosamente o café, tão vagarosamente que até se esqueceu de o beber, certamente perdido em mil pensamentos. Levantou a cabeça para olhar o rafeiro mas foi a mim que se dirigiu - «Sabe? Só a má história se perde em todos os detalhes. Na História séria, o que ela regista são os resultados considerados marcos. Só eles interessam aos povos e aos vindouros. Os pormenores dos feitos, os discursos ditos, os livros escritos, são meras ilustrações a documentar o caminho trilhado para cada resultado... Hoje é aniversário desse homem e, para já, é esta Europa que nos deixará como legado, e esta democracia apodrecida, quando partir». Eu, que tinha interrompido a leitura do poema que estava a ler a ele regressei e bem alto li a parte final:
«Entretanto
a Europa, na indiferença lilás
das civilizações melindrosas
- que faz?

Espera
que o terror do inverno disfarçado de rosas
atraiçoe a primavera»