22 janeiro, 2015

Natália Correia - vida com sentido: "Não há revolta no homem que se revolta calçado..."



Ainda estava com os comentários deixados ontem ao meu escrito sobre o ALA a pairarem-me na incerteza de se a escrita não coloca responsabilidades maiores a quem lida magicamente com ela, quando leio um texto a introduzir um evento. "Natália Correia - vida com sentido", era o título da página "Tribuna Literatura". O evento era (foi) promovido pela Fundação Mário Soares. Leio tudo e desisto de me insurgir perante grosseiras omissões. Apenas me ocorrem versos daquele belo poema "Do sentimento trágico da vida" que há tempos inseri num daqueles momentos de endeusamento aos deuses, que o foram na escrita e na vida. Descreveu o colunista, que também terá participado na homenagem, o itinerário dessa "presença vigorosa na sociedade portuguesa". Infelizmente Natália Correia só está no coração e na memória de quem a respeita, pois se estivesse entre nós irromperia pela sala e com a frontalidade que lhe era característica, cobraria aos presentes a responsabilidade pela concretização da premonição:
«A nossa entrada (na CEE) vai provocar gravíssimos retrocessos no país, a Europa não é solidária com ninguém, explorar-nos-á miseravelmente como grande agiota que nunca deixou de ser. A sua vocação é ser colonialista.»
Natália Correia, in "O Botequim da Liberdade"
É pouco provável que alguém da assistência se tenha erguido e lembrado isso...
Que falta nos faz a Natália!