22 janeiro, 2015

Natália Correia - vida com sentido: "Não há revolta no homem que se revolta calçado..."



Ainda estava com os comentários deixados ontem ao meu escrito sobre o ALA a pairarem-me na incerteza de se a escrita não coloca responsabilidades maiores a quem lida magicamente com ela, quando leio um texto a introduzir um evento. "Natália Correia - vida com sentido", era o título da página "Tribuna Literatura". O evento era (foi) promovido pela Fundação Mário Soares. Leio tudo e desisto de me insurgir perante grosseiras omissões. Apenas me ocorrem versos daquele belo poema "Do sentimento trágico da vida" que há tempos inseri num daqueles momentos de endeusamento aos deuses, que o foram na escrita e na vida. Descreveu o colunista, que também terá participado na homenagem, o itinerário dessa "presença vigorosa na sociedade portuguesa". Infelizmente Natália Correia só está no coração e na memória de quem a respeita, pois se estivesse entre nós irromperia pela sala e com a frontalidade que lhe era característica, cobraria aos presentes a responsabilidade pela concretização da premonição:
«A nossa entrada (na CEE) vai provocar gravíssimos retrocessos no país, a Europa não é solidária com ninguém, explorar-nos-á miseravelmente como grande agiota que nunca deixou de ser. A sua vocação é ser colonialista.»
Natália Correia, in "O Botequim da Liberdade"
É pouco provável que alguém da assistência se tenha erguido e lembrado isso...
Que falta nos faz a Natália!

10 comentários:

  1. Uma força da Natureza, uma vontade inquebrantável de lutar por tudo o que acreditava e sonhava.
    Incompreendida por muitos e apelidada de revolucionária como se isso fosse crime a ser punido na fogueira.
    A sua frontalidade trouxe-lhe muitos inimigos camuflados de admiradores.
    Tanto abordava temas considerados tabu, como sexo e liberdade, como escrevia poemas de amor e sofrimento.
    "Uma vida com sentido" mas pouco consentida!
    A sua elevada inteligência fez com que visse o futuro negro que nos esperava e acertou naquilo que preconizou!

    A vida não para, assim como Natália Correia não volta, nem deixou quem lhe sucedesse.

    Abraço, Rogério!

    ResponderEliminar
  2. .
    ~ Incrível! As afirmações de NC de 1903, parecem inspirações de Pitonisa!

    ~ Mário Soares que nos convenceu que a Europa era o nosso melhor futuro...

    ~ Eis-nos sem soberania, nas mãos dos agiotas.
    ~ ~ ~

    ResponderEliminar
  3. Grande Natália Correia que não teve papas na língua nem medo de se queimar com as palavras claras.
    Agora todos os portugueses vêem porque sentem em casa o sofrimento,mas na hora de votar esquecem-se ou são fraudulentamente enganados...
    Os agiotas estudam as palavras que compram a fome, que arrastam para a miséria descrita pela nossa querida escritora Natália Correia.

    ResponderEliminar
  4. Olá meus amigos, como é maravilhoso encontrar sites com este seu. Parabéns pelo belo trabalho, já estou seguindo.
    Aproveitando a oportunidade gostaria de compartilhar com você nosso
    blog. Ficaremos felizes por vossa visita e mais ainda se seguir-nos.

    AGUARDAMOS SUA VISITA

    Atenciosamente

    Josiel Dias
    http://josiel-dias.blogspot.com
    Rio de Janeiro

    ResponderEliminar
  5. Partilhei vários momentos e algumas viagens com a Natália

    Quem a lê sabe que está viva

    Abraço amigo

    ResponderEliminar
  6. Uma Mulher que tinha na voz e na atitude a força da natureza e exaltava quem a admirava.
    Pena que a lucidez e a inteligência não tenha o valor merecido neste país.

    beijinho e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  7. Natália Correia era daquelas pessoas que estão muito à frente do seu tempo. E que quase sempre estão dentro da razão.
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  8. "Não há revolta no homem
    que se revolta calçado."


    Natália Correia, sempre à frente do seu tempo. Revoltou-se como só uma descalça de nascença e nem assim os "escravos" acordaram.

    Bom fim-de-semana.

    Bj

    ResponderEliminar
  9. Também li o Botequim do Fernando Dacosta e gostei muito.

    ResponderEliminar
  10. É urgente que haja muita gente a falar de Natália, que as novas gerações vejam nela um exemplo:
    mulher descalça e sem peias.

    ResponderEliminar