25 abril, 2015

"FESTA DE BELOS VENDAVAIS"


Estávamos num conflito de areias
desterrados no deserto
quando choveu
nas nossas bocas
uma certa água
e os cravos povoaram 
as ruas

mas foi por uma fresta
escancarada 
que te descobri
silvestre e breve
a resistir
no chão onde se despem as pétalas
que voam
sem limites

ainda hoje chove nas nossas bocas
uma certa efusão de cores
perfumes tresmalhados
e areias

mas és tu ABRIL
no mais íntimo dos silêncios
a minha festa de belos vendavais

Eufrázio Filipe / Mar Arável

11 comentários:

  1. Muito, muito bonito!!! (Até me dava vontade de "roubar"...)

    ResponderEliminar
  2. Um poema tão belo, um poema de Abril.

    Parabéns ao poeta !

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. São lindas estas palavras que nos transportam para o Abril de outrora e de agora. Abraço

    ResponderEliminar

  4. Abril, a água que chove no deserto...

    O "Senhor Metáfora" no seu melhor!

    Bj.

    ResponderEliminar
  5. Está um vento do caraças aqui no sofá ó companheiro! Chove que se farta lá fora, ó companheiro! Ainda bem que chove assim, não me parece que esteja de dar cabo dos frutos em rebento!
    Quase toda a poesia que se faz de abril, me parece carpideira. Será que abril morreu? Que morra! Porra! Que venha um novo março e uma coluna das Caldas para estes gajos! Porra! Eles estão a pedi-las! Porra!
    Nunca, como este ano, tive o desejo que a seguir a abril, viesse março!
    Desculpa Vinagre o desabafo! Estou cá com uns vinagres!Abraço!

    ResponderEliminar
  6. Volto aqui neste dia magnifico e sinto-me tão reconfortada, sinto-me entre Homens de Abril e o poema lindíssimo do Eufrázio levo-o na alma, porque o senti hoje assim, na rua e porque o Eufrázio sabe-o dizer como ninguém.

    Abraço aos dois.

    Branca

    ResponderEliminar
  7. abraço fraterno.
    envolvendo os dois...

    ResponderEliminar
  8. Sensibilidade de ambos: quem escreveu e quem escolheu.
    Muitos bjs

    ResponderEliminar
  9. ah, o Abril que tem servido para tudo...

    ResponderEliminar