23 março, 2016

O terrorismo, o medo e como eu, pela voz dos outros, os (não)compreendo...

Ainda as causas não tinham produzido tão duros efeitos e as vítimas a contar ficavam longe desta Europa e já eu ia escavando os silêncios para descortinar a verdade. Foi mesmo assim, há quatro anos atrás, escrevia "Quem a partir de hoje dormir descansado eu acho que está embalsamado. Ou então é... um zumbi..." 
Hoje o terrorismo faz imperar o medo e não tardará que o medo faça desencadear mais terrorismo, numa espiral de terror que a Humanidade mesmo que a tenha já em tempos conhecido a terá esquecido, como esquecidos estarão os versos de Jorge de Sena, a propósito dos fuzilamentos de Goya: "Não sei meus filhos, que mundo será o vosso..."
«Em Bruxelas, em Madrid, em Londres, em Lisboa, esta noite, milhões de crianças adormecerão com medo.»