19 abril, 2016

Quando se anda a salvar o mundo não se chega a tempo a tudo.


Quando se anda de um lado para o outro a salvar o mundo, corre-se o risco que eu corro: chegar atrasado a todo o lado e ter de sair logo a correr para ir tentar ser pontual num outro lugar. Sábado passado foi assim. Fui o último a chegar e dos primeiros a sair.
Perdi afectos, abraços, sorrisos, palavras, fotos, aplausos. Perdi. Mas a razão de ser da ida está aqui. Está aqui, com a dedicatória que testemunha não ter perdido a parte essencial do acto. Depois da dedicatória, vem o título "Do Esplendor das Coisas Possíveis" e logo a seguir o prefácio:

"...escrito no mais puro sal ora do desânimo ora da coragem ora do amor ou da revolta e da denúncia o autor persegue-nos numa azáfama de sons cheiros auras ritmos como se nos quisesse ser uma festa permanente de sentidos e de pensares. um constante sobressalto de matizes sombras concretas e logo seguidas de apaziguamentos e ainda da racionalidade cognitiva que faz de alavanca para uma fé de sobrevivência."
Isabel Mendes Ferreira
Perdi momentos que gostaria de não ter perdido... este, por exemplo

15 comentários:

  1. Obrigada, do fundo do coração, Rogério! Obrigada por me teres oferecido um exemplar do "Do esplendor das coisas possíveis", do Manuel Veiga e obrigada, também, por mo teres feito chegar às mãos quando eu menos o esperava.

    Forte abraço!


    Maria João

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não será nunca o dinheiro, essa representação do valor, que impedirá a palavra de chegar a quem tanto a desenha e ama. Fui mero mensageiro!

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Lá chegará o dia em que recuperaremos os abraços em atraso

      Eliminar
  3. ...E será que valeu a pena ter perdido, abraços, afectos e sorrisos por um mundo que nunca de dá salvo?
    O link diz que o conteúdo está indisponível,
    que coisa incrível!
    O Mundo fica e os bons momentos são irrepetíveis, meu Amigo!
    Há que aproveitá-los bem!

    Abraços! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Janita

      Eu disse que perdi aqueles abraços, aqueles afectos, aqueles sorrisos mas não cheguei a dizer os abraços, afectos e sorrisos que não quis perder...

      O Mundo fica melhor se fizermos um esforço para estar com todos os irrepetíveis momentos!

      Eliminar
  4. Meu caro Rogério,
    já te disse noutro local quanto a tua amizade me é grata e agradeci as tuas palavras que considero ditadas por sentimentos de amizade e camaradagem fraternas e por uma saudável cumplicidade de afectos. e aqui devo referir, que, ausente, esteve também presente outro nosso Amigo comum - o nosso caro JRD e sua mulher.

    fico feliz por gostares do meu livrinho

    forte abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há sempre não-ausências que registamos como se fossem presenças. Esses são também abraços adiados.

      Abraço,
      apertado

      Eliminar
  5. Peço desculpa, só hoje ler este post.
    Desejo as maiores felicidades ao autor, gostei do poema no link.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpas aceites!!

      :)
      (isto, é um sorriso de perdão)

      Eliminar
  6. O importante não é chegar a tempo, o importante é o que fazemos com o tempo que temos.
    E os amigos sabem isso!

    Não consegui abrir o link :(

    Beijinhos aos dois

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Haja quem entenda, o que fazemos com o tempo
      tendo em conta o tempo que temos.

      Obrigado, "meu pássaro azul"

      (o link só está acessível a quem tem conta no facebook)

      Eliminar