27 dezembro, 2016

Também faço o balanço: em 2016, este foi o post mais visitado

«Sábado... Foi assim, a semana que hoje finda (15)» 

Segunda-feira (e durante a semana inteira) -  Lembrando um poema "Até que o Sol nos apareça"
Uns dizem palavras de desalento
Outros que esperam ter esperança em Maio
A maior parte, não fala e quando saio
Oiço queixas veementes de tão mau tempo
...
Avancemos, chuva adentro
Chuva adentro
Até que o Sol nos apareça, e brilhe                           como se fosse Abril
 Terça-feira

Como se fosse Abril de novo, naquela noite de 4 de Outubro, fez-se a esperança. Tinha, o segundo mais votado, posto a esperança de lado. O terceiro festejava por ter obtido farta votação sem retirar, do todo, a conclusão. Veio pela voz "inesperada" a esperança: "O PS só não será Governo se não quiser".
E quis. Seguiram-se negociações, compromissos, pressões. E o desfecho aconteceu, histórico. Sabe a pouco? Mas neste caso o pouco é tanto!

Quarta-feira 

Foi um dia em que o sol  espreitou e a família apareceu, embora nem toda pois parte querida está distante. Aqui, neste espaço, tal foi festejado, ofereceram-me Ary. Seu poema começava assim:
«Meu Camarada e Amigo
Revejo tudo e redigo
meu camarada e amigo.
Meu irmão suando pão
sem casa mas com razão.
Revejo e redigo
meu camarada e amigo»
De pé, senti-me grande e com alma de menino.

Quinta-feira

"Já cá tô" foi o sms que lhe enviei. Dali a pouco chegava ela. Percebera que fazia o esforço de chegar e que desde o último nosso encontro era visível que a vida se lhe tinha tornado um constante desafio, um apelo à sobrevivência. Sentou-nos e falámos sobre tudo o que nos ocorria até falarmos do que ali me trazia. Estendeu-me a pen e fez-me algumas veementes recomendações. Em casa, li todos os sonetos e fiquei com uma certeza...

Sexta-feira

Com textos diversos (e alguns avessos) os jornais falavam do Congresso. Um pelo referido deixava prever o desfecho. Escrevia:
«“Na generalidade acho que [Arménio Carlos] respondeu bem”, resume Carlos Trindade, porta-voz da tendência socialista, acrescentando que o mandato do líder da central ficou marcado por um momento político que exigia “muita união e expressão pública”. (...) Também Francisco Alves, dirigente sindical com ligações ao Bloco de Esquerda, realça que, nos últimos quatro anos, o trabalho “foi muito exigente”, mas a CGTP e o seu líder “esteve à altura do desafio”.»

Sábado - É hoje e amanhã é o primeiro dia do resto das nossas vidas!