08 janeiro, 2017

A nota "Face ao falecimento do Dr. Mário Soares" e o que por aí vai...


Contava manter-me no recato. O meu Partido, em nota contida, possível de ser dividida em três partes, está a dar que falar.
No facebook um post entra em choque e tem já mais de uma centena de likes e dezenas de comentários. Escreve o chocado:
Das coisas que reterei na memória. A falta de grandeza da nota do secretariado do CC do PCP «Face ao falecimento do Dr. Mário Soares»: extemporaneamente ressabiada e sectária, inútil e inoportuna.
Vamos por partes, às três partes da nota:
Primeira - A parte das condolências: "O Partido Comunista Português, face ao falecimento do Dr. Mário Soares já apresentou directamente ao Partido Socialista e à família as suas condolências." esta parte dá conta de que o PCP fez o que sentiu que devia ter feito, antes de vir a público
Segunda - A parte do elogio póstumo que lhe achou devido: "Mário Soares, fundador do Partido Socialista, seu Secretário-geral, personalidade relevante da vida política nacional, participante no combate à ditadura fascista, no apoio aos presos políticos, desempenhou após o 25 de Abril os mais altos cargos políticos, designadamente como Primeiro-Ministro, como Presidente da República e membro do Conselho de Estado."   
Terceira - A parte em que separa o elogiado da sua intervenção politica: "Lembrando o seu passado de antifascista, o PCP regista as profundas e conhecidas divergências que marcaram as relações do PCP com o Dr. Mário Soares, designadamente pelo seu papel destacado no combate ao rumo emancipador da Revolução de Abril e às suas conquistas, incluindo a soberania nacional."
Tivesse o Secretariado do CC do PCP entrado nos detalhes do combate de Soares ao "rumo emancipador da Revolução de Abril" então sim, nesse contexto, a nota seria excessiva (ou talvez não).