08 fevereiro, 2017

A educação na Finlândia (voltando à vaca fria)


Voltar à vaca fria é uma expressão que não só me agrada como frequentemente pratico. Quando pego num tema, não o largo e frequentemente nele insisto. 

Ao almoço, dizia eu, "bolas! entrar às 9h, ter uns quantos intervalos sem ter onde nem como gozá-los e depois ir buscar o miúdo às 17,30h. Chegar a casa e ainda ir fazer os trabalhos... não é uma violência, apre!, é um massacre"  

Procurando mais informação sobre como será a "coisa" por lá tropeço numa imagem. E... raios me partam, se este puto finlandês não está a copiar a obra do meu Miró (ver quadro ao lado)

Estar ou não é dúvida que não interessa. O que relevo, é que há grande proximidade na expressão plástica, na forma de combinar as cores... e qual é a tese? Os nórdicos finlandeses são quase tal e qual os netos de quem tem alma celta, coração luso e sangue mouro.

Qual é a diferença?

Veja-a, aqui, nestes 7 princípios de fazer inveja!


10 comentários:

  1. Gostei da maioria dos princípios - se não de todos... -, bem como das obras dos pequenos "mirós"... resta-nos saber, partindo do princípio que os portugueses e os finlandeses têm culturas muito próprias e muito diversas, se esses doze princípios resultariam, por cá...

    Abraço.

    Maria João

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Resultariam, sim. Os tais "princípios" são de data recente... e entre a cultura e a educação há uma relação tipo questão do que aparece primeiro, se o ovo se a galinha...
      sem educação a cultura ir-se-á diluir, entrando em queda degenerativa...

      Eliminar
    2. Sim, sei que são bastante recentes. Referi-me à cultura, mas esse é apenas um dos aspectos de uma enorme e complexa equação com um sem-número de variáveis... no entanto, é bem possível que sim, que resulte.

      Eliminar
  2. É mesmo de fazer inveja. De vez em quando encontramos pessoas no ensino regular que fazem a diferença. Mas são tão poucas. Conheço algumas. Mas pouco peixe, mal consegue remar contra a maré.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por vezes
      as grandes searas
      partem de poucas sementes

      (seja bem aparecida, que bom revê-la!)

      Eliminar
  3. Apetece-me dizer. Quem me dera viver na Finlândia.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alguns finlandeses dizem o mesmo, referindo-se a Portugal

      Eliminar
  4. Todos os dias, na estação de metro perto de minha casa, dou de caras com esta frase:
    "Se o ensino não for libertário, o desejo do oprimido é tornar-se opressor"

    Desconheço o autor da mesma, mas considero a liberdade e o respeito, entre outros, factores essenciais para o saudável desenvolvimento de qualquer ser humano...

    ResponderEliminar
  5. Irmão?
    Ele escreveu na estação de metro da minha rua?

    ResponderEliminar