18 julho, 2019

Estamos em 2019, a caminho de eleições


«Quando, a 4 de Outubro de 2015, contrariámos o ambiente geral de resignação que dava como inevitável a continuação do governo PSD/CDS, demos a primeira de tantas contribuições para cada avanço, cada conquista, cada reversão de medidas negativas, para a defesa de cada direito, não desperdiçando nenhuma oportunidade para defender, repor e conquistar direitos. 
Hoje podemos dizer que não há nenhuma medida positiva para os trabalhadores e para o povo que não tenha tido a intervenção ou o voto decisivo do Partido Comunista Português.»
Jerónimo de Sousa, 
na apresentação do Programa Eleitoral do PCP
Os sete compromissos assumidos pelo PCP:

17 julho, 2019

"Estávamos em 2015 a caminho de eleições."


Ontem foi mesmo um lufa-lufa, uma corrida. Contudo cheguei sempre a tempo e neste caso a pontualidade foi premiada por abraços e sorrisos prévios. Depois começou. Agostinho Lopes antecedeu o que me fez correr. Ah, o que eu perderia se o tivesse perdido. E a sua intervenção começou com a frase que destaco em título.

16 julho, 2019

Uffa! Que ganda lufa, lufa!


Esse aí não é Minha Alma, nem Meu Contrário. Sou Eu, na missão polivalente de militante-repórter-com-partido. Sendo isso tudo, não espanta que não tenha descansado  um segundo. Hoje estive num sítio onde não fui preciso. Estavam lá todos, os nossos e os outros.
Entretanto, eu tinha de promover o que era compromisso ter de ser promovido... trabalho simples... divertido.
Sobre o outro, a luta, fica o mote. Falarei disso. Agora, passo ao "interregno para coisas belas" e o convite a uma visita...

14 julho, 2019

Dominical liturgia [citando Sophia] - 25


Descobri um sitio onde alguém se aventurou a avançar com as "Dez das melhores frases de Sophia de Mello Breyner Andersen". Não sei se são ou não, mas não tenho dúvida que me inspiraram a produzir os melhores mandamentos que jamais produziria se não fossem as frases de Sophia.

1º Mandamento: Escreva um poema, salve o que julgue ser sua alma
“A poesia é das raras actividades humanas que, no tempo actual, tentam salvar uma certa espiritualidade. A poesia não é uma espécie de religião, mas não há poeta, crente ou descrente, que não escreva para a salvação da sua alma – quer a essa alma se chame amor, liberdade, dignidade ou beleza”. (disse Sophia)
2º Mandamento: Produza beleza, a fealdade custa os olhos da cara
“A regra a seguir é esta: uma casa para todos e beleza para todos. E a beleza não é cara. É geralmente menos cara do que a fealdade que quase sempre se chama luxo, monumentalismo, pretensão. A beleza é simplicidade, verdade, proporção. Coisas que dependem muito mais da cultura e da dignidade do que do dinheiro.” (disse Sophia)
3º Mandamento: Não seja pato bravo
“Penso que a Cultura da nossa época tende muito a ser uma espécie de reserva cultural. Faz-se um Centro Cultural, chama-se um bom arquitecto, põe-se lá quadros bonitos e coisas bonitas… Depois, à roda, é a construção do pato bravo: é uma caricatura cultural. A Cultura é uma coisa que, ou está na mentalidade e na vida, ou não está em parte nenhuma. Não é um objecto de museu, é qualquer coisa de estrutural na vida humana.” (disse Sophia)
4º Mandamento: Use o ócio, nunca seja um ser ocioso
“O ócio é o atelier em que se escreve. Escrever sem silêncio, sem tempo, sem disponibilidade… não é possível.” (disse Sophia)
5º Mandamento: Nunca despreze uma palavra. Se sobrar, guarde-a
“Recordo-me de descobrir que num poema era preciso que cada palavra fosse necessária, as palavras não podiam ser decorativas, não podiam servir só para ganhar tempo até ao fim do decassílabo, as palavras tinham que estar ali porque eram absolutamente indispensáveis. Isso foi uma descoberta.” (disse Sophia)
6º Mandamento: Ensine uma criança a dizer um poema, antes que cresça  
“Se as crianças aprendessem poemas de cor em pequenas, se fosse uma parte integrante do ensino e até, se elas tivessem de dizer um poema de cor para serem admitidas a qualquer universidade, as pessoas passavam a falar melhor. Porque falar é próprio de todas as pessoas, não é só do médico, do engenheiro e onde se aprende a falar realmente é na poesia.” (disse Sophia)
7º Mandamento: Aceite-se sempre, mesmo se em perda
“Com o tempo perdem-se as coisas. Eu acho que isso acontece às mulheres e aos homens. Depois vamo-nos perdendo a nós próprios, já não se tem a mesma imagem, já não se tem a mesma ligeireza, já não se tem a mesma leveza, já não se tem…” (disse Sophia)
8º Mandamento: Ponha sempre alguma racionalidade na sua crença
“Sou muito angustiada com as coisas: a criança que se queima, que cai à piscina, que é atropelada, nas outras coisas tenho uma certa entrega, acho que Deus se justificará a si próprio, eu não consegui justificá-lo. Não consigo perceber porque razão há morte, sofrimento, o mal, as tentações, mas tenho consciência que talvez não tenha capacidade para isso. Eu também não tenho capacidade para compreender matemática, quanto mais… os desígnios de Deus.” (disse Sophia)
9º Mandamento: Lembre-se sempre que sem prática a teoria vale nada
“Eu penso que há uma diferença entre o homem e a mulher, e os feminismos não podem… Para mim o machismo não é considerar que há uma diferença entre o homem e a mulher, o machismo é tentar fazer um negócio dessa diferença… Os feminismos são teorias. Eu acho que a teoria na nossa época tem desempenhado um papel terrível na política, tem desempenhado um papel terrível na arte, e também na vida… A vida tem sido muito sacrificada à teoria…” (disse Sophia)
10º Mandamento: Nunca se esqueça da existência do universo
“Penso que nós procuramos sobretudo o que nos dá felicidade, não acha? Procuramos o que nos cria uma certa libertação íntima que é necessária à liberdade. Procuramos ser um com o universo.” (disse Sophia)