17 fevereiro, 2017

A imprensa, necrofóbica, detesta cadáveres políticos. Por isso fala insistentemente deles, como se estivessem vivos

Juro que não tenho andado afastado deste meu espaço por ter andado ocupado na leitura de um livro. Ligo mais aos vivos e nunca os confundi com zumbis. A imprensa, essa, não se cansa em ir colocando na agenda, coisas mortas, como se tivessem vivas. Primeiro um tema morto, que a imprensa dia a dia ressuscita. Fala, fala, fala e não despega a ponto da minha Teresa ir exclamando, a cada horário nobre televisivo, "Que enjoo!"
Depois vem aquela coisa do tal livro em que um cadáver político desanca no outro, também politicamente, já falecido.
E se falássemos antes da actualidade ligada ao que ambos terão deixado por legado?

16 comentários:

  1. Só a sua Teresa? Anda mais de metade do país enjoado. Quanto ao livro, nunca me passaria pela cabeça que perdesse tempo com tal leitura.
    Um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se o Cavaco escrever o seu texto
      sem respeito
      pelo seu acordo ortopédico
      dou um jeito
      e talvez lhe leia as badanas

      Eliminar
  2. Vergonhoso! Fica-lhe tão mal, parece a intervenção de uma criancinha mimada ou uma "velha" cusca, ao que o homenzinho desceu, mais baixo não pode! Ainda não he passou a partidarite aguda, é coisa crónica e com sintomas de agodização. Fica tão mal a um ex-presidente não se conter...

    ResponderEliminar
  3. Bom dia, Rogério.

    Quando se está sem cigarros - é o meu caso -, baixam-nos os habituais limiares de tolerância à frustração, evaporasse-nos o pouco engenho que pudéssemos ter tido... ficamos, em suma, rabugentos. Confesso que me "desmanchei a rir" quando li as palavras da Graça Sampaio.

    Abraço.

    Maria João

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Graça até a mim me surpreendeu...
      (ela tinha um "fraquinho" por um dos finados...)

      Eliminar
  4. José Cruz Boavida

    Voltou a aparecer cheio de ligaduras, porque o processo falhou. 1º verificaram que cérebro, já não existia, através das fossas nasais, Depois de mal lavado, foi envolvido durante 40 dias, em natrão, substância natural retirada de certos locais e que quimicamente corresponde a carbonato de sódio hidratado (Na2CO3•10H2O), indo provocar a perda quase total de água, e evitando o desenvolvimento de bactérias. A água que este Cagarrão apanhou nas Selvagens, desenvolveu e multiplicou bactérias resistentes, a todas as substâncias bactericidas e a cagarra que anilhou, desenvolveu-se dentro das ligaduras e a múmia voou para a imprensa especializada em Necrofobia... Será que agora vai suicidar-se? José Cruz Boavida

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Seria a primeira vez que um cadáver se suicidaria

      É a imprensa que dá alma ao morto...

      Eliminar
  5. O livrinho é a cara do dono, incolor, inodoro, insipido e procurando o que nunca vai, encontrar, VALE MAIS O PAU DA BANDEIRA DOS COMUNISTAS QUE ELE TODO. o que o Sócrates tinha de bom era não gostar dos COMUNISTA ? coitadinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sobre esse aspecto particular
      a imagem que escolhi é espectacular

      (foi publicada pelo blog 5 Dias, há uma data de tempo)

      Eliminar
  6. Dizes bem : dois cadáveres...Paz às suas almas
    Kis :=}

    ResponderEliminar
  7. Tendo dito em tempos que ganhava pouco, entende-se que queira mais uns troquitos !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Euritos?
      Esqueça!
      É na base na oferta...

      o que é que pensa?

      Eliminar