09 fevereiro, 2017

Mas... a Mamã Iogurte ainda mexe? Depois descubro eu que sempre mexeu


Este criativo perfil corresponde a um blog que descobri um dia e nesse mesmo dia resolvi segui-lo, embora para o qualificar sempre me faltasse o adjectivo. 
Os textos eram curtos e escorreitos, um tanto "anarcas", o suficiente para me despertar a curiosidade de, seguindo-o, vir a descobrir um sentido sério nos temas na aparente gratuitidade e leveza com que eram tratados. 
Sem que desse por isso a "Mamã" levou sumiço. Esfumou-se. Desapareceu. 
Mais uma que se passou para o faissebuque e não pensei mais no assunto... até que ontem a "Mamã" apareceu num comentário onde assim escreveu (referindo-se ao ensino na Finlândia):
«É mesmo de fazer inveja. De vez em quando encontramos pessoas no ensino regular que fazem a diferença. Mas são tão poucas. Conheço algumas. Mas pouco peixe, mal consegue remar contra a maré.»
Sai disparado e fui investigar o caso do mistério do blogue desaparecido e que afinal sempre tinha existido... e dei com outros, que afinal também não estão "mortos". A lista, não sendo longa, é tremenda, ei-la:

12 comentários:

Cristina Cebola disse...

Às vezes pergunto-me: o que leva uma pessoa a criar um blogue? ou a abrir uma conta nas redes sociais ?
Tantas vezes me fartei, outras tantas voltei...e a resposta continua imersa, talvez naquele lugar do psiquismo humano tão responsável pelos actos que cometemos e para os quais não encontramos explicação.
A verdade, é que não me identifico, quer com a singeleza dos comentários, quer com a reciprocidade dada aos mesmos nestes locais, roçando muitas vezes a falta de delicadeza e de sensibilidade por qualquer coisa que é fruto de um processo criativo, independentemente da temática e da excelência do mesmo.
No entanto é bom vermos algo que sai de nós reconhecido, ainda que o reconhecimento não seja sincero, e tenhamos que agradecer por cortesia.
Vá lá perceber-se a natureza humana! Abominamos o "faz de conta", e estamos sempre a colocar-nos a jeito de levar com ele.
Fiquei curiosa em relação à "mamã iogurte". Vou lá cuscar.

Bom fim de semana Rogério.

Pata Negra disse...

Ui os que já lá vão! Alguns chegaram mesmo a ser amigos! Mas a blogosfera é como a vida numa aldeia, partem uns e nascem outros e sempre vão ficando os que resistem.

Um abraço amigo que isto vai

Elvira Carvalho disse...

E que aconteceu? Simplesmente perdeu o link?
Abraço

Rogerio G. V. Pereira disse...

Acontece-me
de manhã, querer fechar
à tarde, perder o querer
e à noite, vir cá escrever

quase sempre o faço para mim
como forma de por o juízo em dia
e ir registando o que vejo
para além da espuma dos dias

Nem sempre entendo a "Mamã"
mas garanto
tem sempre o iogurte dentro do prazo
é o que eu acho

Rogerio G. V. Pereira disse...

É verdade isso
mas
os que se foram
foi o sr. Blogger que lhes deu sumiço

Rogerio G. V. Pereira disse...

Não perdi, vieram roubar-mo

Anónimo disse...

Rogério, quando falas de "sr. Blogger", falas dos critérios - humanos critérios, claro... - aplicados - ou aplicáveis - a um blogger, ou a uma situação perfeitamente aleatória?

Como sabes, vim para a net com a finalidade primeiríssima de produzir e guardar os meus poemas, mas fiquei com uma certa aversão ao dito "blogger" desde que a minha conta do Gmail foi "pirateada", decretando a morte antecipada do meu Pekenasutopias.

Agora, com esta franca redução da acuidade visual, cada vez leio menos na blogosfera... ou seja onde for.

Nesta "matéria-poética" que trabalho ainda, embora estando em fase de "pousio", vou cimentando mais e mais fortemente a ideia de que a dispersão é mesmo inimiga da qualidade e já não me importo tanto com o facto de ter ficado impedida de actualizar o meu blog da plataforma Google...

Abraço.


Maria João

Elvira Carvalho disse...

No final de 2016 desapareceram-me todos. Não ficou um para amostra, e levei uma data de tempo para recuperá-los. O último só o recuperei hoje.
Um abraço e bom fim de semana

Rogerio G. V. Pereira disse...

Falo daquilo que mais logo irei falar...
o tema é muito actual

Cristina Cebola disse...

Valerá a pena vivermos nesse desassossego? Nesse inconstante estado de alma entre as manhãs e as noites?
Se escrevemos para nós porque nos expomos?
Assim fosse a espuma dos dias o alimento do nosso olhar...

Anónimo disse...

Tentarei estar atenta e não me meter em mais nenhuma das minhas "aventuras informáticas". Acabo de conseguir sair de uma tentativa de optimização de leitura que requereria competências informáticas e, por falta delas, redundou em temporária inviabilização de leituras...

AvoGi disse...

Coisa estranha. Eu estive algum tempo de férias blogueiras, qué dizer estive sem publicar e sem ler. Mas digo-lhe que a plataforma Blogger deixa-me apreeensiva pelo facto que num só dia passei de 1300 e tal seguidores para 900. Foram roubados assim como os teus linques.
Kis :=}