19 abril, 2017

Poesia (uma por dia) - 91


MINHA LOUCURA

Depois de muito andar, muito perder, muito lutar,
dizem-me: «Para quê?»
Eu digo simplesmente: «Para viver melhor.»
Dizem-me: «Como assim,
se tu vives bem? Que queres mais, diz?»
Eu respondo sem jeito: «Não sei.»
É o que desejo para todos,
e digo para comigo: «Claro que estamos bem!»
E continuo a trabalhar o mais que posso
para uma glória total,
com inocência
e às vezes com tanta claridade
que essa luz quase me agride.

Gabriel Celaya
“El hilo rojo”

14 comentários:

  1. Belo poema de Celaya!

    Abraço!

    M. João

    ResponderEliminar
  2. Rogérito

    uma boa partilha de um poema que não conhecia e achei sublime.

    muito bom!

    beijinho

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diz-se (digo eu)
      que poeta é
      não só quem os escreve
      mas quem dá a conhecer

      Eliminar
  3. "uma glória total,
    com inocência" talvez de saber que o Quinto Império já se fez nos homens de boa vontade! Um abraço brasileiro, Poeta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Poetas somos todos
      Mas apenas alguns escrevem poemas

      Um abraço luso, Poeta!

      Eliminar
  4. Sofremos todos um pouco dessa loucura, mais ou menos intensamente, e, cada um à sua maneira. É o que nos vale.


    Bj.

    Lídia

    ResponderEliminar
  5. belo poema
    que é uma palavra de esperança.

    abraço caloroso

    ResponderEliminar
  6. O acomodar-se nunca traz nada de muito positivo, não.

    Bom resto de semana

    ResponderEliminar
  7. Um poema de um poeta que não conhecia e que muito me agradou.
    Obrigado
    Um abraço

    ResponderEliminar