15 abril, 2015

Aumentar a natalidade? Sim, claro! Só que... as propostas esbarram onde esbarram sempre!


Porque o Continente é contraproducente (em horários, em honorários e em trabalhadores precários) e porque é um padrão que influencia (quase todos) os modelos de gestão em toda a cadeia, desde o prado ao prato (e nada adequada às "uniões de facto") e porque patrocina um Percy Sladge para destinatários(as) fora de prazo... Por tudo isso, a natalidade regista preocupante atraso.
Não terá sido isto, propriamente, o discutido.  Mas, na verdade, é preciso fazer qualquer coisa. Quem ousa? Os mesmos de sempre, naturalmente!
E terão existido propostas assim:
«- Alterar o regime de concessão do abono de família, que desde 2010 foi retirado a mais de 1 milhão e 500 mil crianças por força da alteração das regras de concessão (medida PS);
- Alterar as regras de concessão do subsídio por maternidade e paternidade (ou parentalidade), pagando a 100% independentemente da modalidade da licença e revogar a disposição que retira o subsídio de férias e de natal do cálculo do subsídio por maternidade (medida PSD/CDS);
- Revogar todas as medidas que diminuem o subsídio de desemprego nos montantes e tempos de atribuição (PS, PSD e CDS-PP);
- Revogar a condição de recursos que impede milhares de cidadãos de acederem a muitas prestações sociais (inventada por PS, agravada por PSD e CDS-PP);
- Criar uma rede pública de creches, infantários, apoio a idosos e a pessoas com deficiência, de qualidade e a preços acessíveis;
- Reduzir o horário de trabalho para as 35 horas, para todos os trabalhadores, sem perda de remuneração.»

5 comentários:

  1. Mas o cinismo faz com que se conceda a grande "dádiva" de permitir que os pais de crianças até aos 12 anos trabalhem a meio tempo, recebendo 60% do vencimento.
    Ena! Que bom! E depois vivem de quê?

    Beijos, Rogério.

    ResponderEliminar
  2. 60% de ordenado é óptimo. Os ordenados dos portugueses estão acima da média europeia, logo 60% dá para continuarem a ter um certo nível de vida não é mesmo?
    Seria para rir se não fosse tão triste.
    Estes senhores consideram que 600€ é um grande ordenado. Daí que os casais com média de 600€ viram o abono de família escafeder-se por ordem do governo.
    E depois querem aumentar a natalidade.
    Para ficarmos como no tempo da outra senhora, que os pais tinham um monte de filhos a almoçar e jantar a fome.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Vamos sonhar mantendo os pés no chão!...
    AbraçO

    ResponderEliminar

  4. Aumentar a natalidade neste país ?
    Para quê?
    Para quem?
    Porquê?

    beijinho

    ResponderEliminar