08 março, 2017

Maria Lamas e Rita Rato - outros tempos, a mesma luta

Comemorou-se hoje o 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, da mulher trabalhadora, como bem se refere aqui, lembrando que esta comemoração, iniciada em 1909, teve a sua origem no seguimento de lutas laborais das mulheres e foi impulsionada por mulheres socialistas, como Clara Zetkin e Alexandra Kollontai, como um dia de luta por melhores condições de vida e trabalho das mulheres, pelo direito de voto, pela igualdade entre homens e mulheres, e pelo socialismo.
Desde aquela data, muitas (e muitos) se bateram por aqueles valores e o citado artigo traça uma evolução histórica de tal luta.

Eu resolvi assinalar o dia lembrando uma figura nossa por ter sido noutro lado lembrada em termos que, para mim próprio, acrescentam detalhe ao meu conhecimento:

A condição da mulher
está de tal forma ligada aos problemas fundamentais da humanidade
que não será possível separá-los. 
(Maria Lamas, A mulher no Mundo, Vol.I: 577)

Num (belo) texto evocativo, Lídia Borges começa por palavras inauditas de um deputado no Parlamento Europeu, o mesmo que foi hoje citado por uma continuadora da luta de Maria Lamas, na Assembleia da República: