16 março, 2017

Espiar, já não é o que era dantes. Hoje a tecnologia é que vigia, antecipando a sociedade dos deprimidos...










Toda a imprensa fez eco da noticia sobre o bla, bla, bla, do WikiLeaks e da CIA. Junta-se a este susto aquele outro dos servidores do Google e do Facebook vigiarem tudo, antecipado a sociedade dos deprimidos. Escrevi sobre isso um outro não citado artigo que terminava assim:
«...estou na lista. Se depois disto tudo me sinto seguro? Claro que não, mas se pensam que deserto por medo, “tirem o cavalinho da chuva”… Escrevo até que me doa o dedo!

7 comentários:

Elvira Carvalho disse...

O mundo transformou-se num infinito big brother.
Um abraço

Catarina disse...

Deixei o Yahoo. Todos vigiam todos.... muito preocupante.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Sabe?

Eu acho que o que se diz, se amedronta, diz-se só para amedrontar...
eu não ligo, e aconselho-a a não ligar

Rogerio G. V. Pereira disse...

Não deixe nada
o que se pretende
é que a gente
fique calada

escreva como eu escrevo
até que nos doa o dedo

Mar Arável disse...

Contra o medo e a indiferença
Abraço

Lídia Borges disse...

Com este olhos aqui a olhar, a olhar e a fazerem barulho nem li isto com a devida atenção.
Apraz-me dizer que, embora preferisse que assim não fosse, é um assunto que não me tira o sono, de maneira nenhuma.

Bj.

Lídia

Anónimo disse...

A vigilância é óbvia, entra-nos pelos olhos dentro, mesmo que não tenhamos nem uma costelazinha de delírio paranóide. Incomoda-me porque sempre fui mulher de criar na mais perfeita solidão e, agora, sei que só posso ter, com algum esforço, uma "ilusão de solidão", mas não tenho medo e se (quase) saí das redes sociais foi por pura incapacidade física de as acompanhar no seu ritmo frenético.

Os dedos e os olhos já me doem a valer, bem como o corpo, dos pés à cabeça, mas tenciono escrever enquanto me restar uma centelha de lucidez.

Maria João