03 setembro, 2014

Dilma? Sim, claro! (1)


Dilma? Sim, claro! Não porque o PSDB seja, lá, o mesmo PSD que aqui a gente vê (Aécio é igualzinho a Passos); Não porque a Marina Silva seja isto ou aquilo e mais o que adiante se verá (embora já seja evidente para o que é que Marina serve). 
Escrevi "Dilma? Sim," e, depois, peremptório escrevi "claro". Mas talvez seja um claro que deve ser clarificado:
Para já Boff, que é "meu irmão", me disse o que acabou de ouvir; depois porque Dilma é uma doce avó e, por fim, porque Dilma vai votar na consulta informal ("plebiscito popular") e receber propostas dos movimentos sociais sobre mudanças no sistema político-partidário. Será uma autêntica revolução. 
A atual proposta do "plebiscito popular" é apoiada por mais de 400 movimentos sociais, entidades e partidos, entre eles PT, PCdoB, correntes do PSOL, Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Movimento do Sem Terra (MST), CUT, pastorais e ONGs. Para críticos da Constituinte exclusiva, o dispositivo é temerário, pois ele abre um precedente de que a Constituição, ou parte dela, possa ser modificada sem passar pela via tradicional – as propostas de emenda constitucional por parte do Congresso.