22 março, 2015

Geração sentada, conversando na esplanada - 86 ("vemos, ouvimos e lemos/não podemos ignorar")

(ler conversa anterior) 
«...não ouvem, não vêem, não falam e quando falam não sabem».

«Vemos, ouvimos e lemos / Não podemos ignorar»


Todos estavam como se a Primavera estivesse presente, mas o sol mostrou-se pouco colaborante... a manhã não estava a correr de feição, nem para o cão. O senhor engenheiro atrasara-se e os bolos estavam já esgotados. O último, aquele que estaria destinado ao rafeiro, uma das professoras o comprara e o que se passou a seguir entraria para a história da esplanada. Quando a professora se preparava para a primeira dentada, o cão entrou não se sabe se em pranto se em uivo de reclamação e só se calou depois de obter seu quinhão. Depois, recompensado, recolheu-se debaixo de uma cadeira para não mais se ouvir, nem ver, a manhã inteira.
Ficamos depois a comentar se o que tínhamos assistido não seria uma metáfora ao vivo...
___________________
Actualizado, pelo comentário deixado pelo Bruno:
«O cão, ao contrário de muitos outros mamíferos, primatas inclusive, conhece e pratica a máxima: "quem uiva nem sempre ganha, mas quem não uiva perde sempre". »

7 comentários:

Bruno disse...

O cão, ao contrário de muitos outros mamíferos, primatas inclusive, conhece e pratica a máxima: "quem uiva nem sempre ganha, mas que não uiva perde sempre".

Elvira Carvalho disse...

Se o não está sempre certo, há mais é que uivar pelo sim.
Um abraço e uma boa semana

Majo disse...

~
~ ~ ~ Não ignoremos!! ~ ~ ~

~ Excelente semana, com Primavera e Poesia...
~ Ah! Ironia também. Precisa-se! Muita!

~ ~ Abraço amigo. ~ ~

Lídia Borges disse...


O cão comeu e desapareceu...?

:)

Um beijo

Rogerio G. V. Pereira disse...

Lídia

Todo lampeiro,
todos lhe sabíamos o paradeiro!

Agostinho disse...

Desconfio que este cão tem a diabetes. Além disso é preguiçoso. Um pendura !

Maria Eu disse...

É preciso uivar mas que não se escondam depois! Mostrar os dentes sem receio.

Beijo, Rogério.