16 agosto, 2015

Avante, erguedores da cidade-de-todos-os-afectos (2)

A Ana era rigorosa nas medidas tiradas, no traçado delas, na colocação da régua, nos grampos que seguravam esta e, depois, no corte. Era vigorosa a manejar a serra. Serena no modo operatório. Parecia que não fizera outra coisa na vida, o que contrastava com as vestes que trazia e com o ar com que ia dizendo o que dizia. Enquanto trabalhava, olhava-a longamente e uma certeza, que já tinha, se reforçou: "Esta é uma juventude diferente!"
Sorriu, até parece que me ouviu.
(saiba mais)

5 comentários:

Janita disse...

Isto significa que os preparativos para a Grande Festa anual de confraternização, está a ir de vento em popa!
Arregacem as mangas porque o tempo 'ruge'.
Vá dando conta do avanço desse manobrar de serras e tábuas. Ficamos a aguardar o andamento das obras!
O chefe também por lá aparece?

:-)

AFRODITE disse...

Com serras não me meto (tenho-lhes medo)... bastam-me as que me rodeiam os horizontes minhotos que amo.

Que tudo corra pelo melhor!
(^^)

Elvira Carvalho disse...

Parece que tudo está a correr bem. Com método e competência, coisa que não se encontra no desgoverno que nos rege. Oxalá que essa juventude diferente, possa dar-nos um futuro diferente.
Um abraço

Graça Sampaio disse...

Isso é que é devoção!! Parabéns!

Agostinho disse...

E do nada, com a soma de vontades constrói-se a cidade.