12 novembro, 2017

(seria para rir, se não fosse triste)

À porta do Panteão
Cheira a bacalhau assado
Ó cérebros cá deste mundo
passem para cá um bocado

10 comentários:

ematejoca disse...

O governo actual teve dois anos para impedir tal acontecimento!!!

Observador disse...

A lei de 2014 foi tão bem elaborada que dela consta um preçário para os eventos.
Desde 3 mil euros por almoço/jantar até 1.500 por um cocktail. Só o alguer do espaço, claro.

Com ou sem lei, mandava o bom senso que aquele espaço não fosse utilizado desta forma.

Elvira Carvalho disse...

Há leis que precisam ser revistas. Urgentemente.
Um abraço

Catarina disse...

Já dei a minha opinião no “Reflexos”. Não me quero repetir, mas sou de opinião que há um grande exagero quanto às críticas.
Paddy Cosgrave pediu desculpa. Não sei porquê. Bastaria esclarecer as mentes mais “ofuscadas” qual a sua intenção na qual acredito.
É uma questão cultural, ao fim e ao cabo.

O Puma disse...

Um dia até vão jantar nos restaurantes

Anónimo disse...

Esta compulsão (moda) de sermos modernaços e "originais" em tudo e mais alguma coisa, não está a dar grandes frutos, não...

Abraço grande!

Maria João

Saberes e Sabores da Amoreira Negra disse...

É de facto uma questão cultural, como acima diz Catarina. Países há que o cortejo funebre leva fanfarra, mas essa ainda não é a nossa forma de mostrar dor pela morte de alguém. O que se passou no Panteão foi no mínimo: - Ofensivo. Desrespeito pelo que representam os restos mortais dos humanos. Mau gosto. Comer, beber, e fazer macacadas rodeado de urnas . Além do mais desrespeita a essência do evento - Web Summit - relacionado com as novas tecnologias. Ou será que o futuro pertence aos robots embrutecendo os humanos? Pensai meu povo, pensai.

Catarina disse...

Em Oxford, Inglaterra, quando fui visitar a minha filha há talvez 4 ou 5 anos, ela levou-me a um café, famoso pelos seus scones,cuja esplanada era num pequeno cemitério. Havia pessoas sentadas em cobertores espalhados no relvado - providenciados pelo café - e mesas em cima das lajes das campas. Para mim foi uma "novidade". Em Portugal isso não aconteceria.

rosa-branca disse...

Pode ser uma questão cultural, mas não consigo pensar assim. Façam almoços nos museus, nos conventos à beira-mar em alto-mar ou onde lhes der na gana, mas respeitem os que já partiram. Terrinas de caldo verde em cima das urnas? Pode ser que a moda pegue...Fiquei horrorizada com tudo isso. A minha educação não foi essa. Beijos com carinho amigo Rogério

© Piedade Araújo Sol disse...

há leis que não deviam existir, ou então precisam de uma revisão urgente...
:(