19 fevereiro, 2015

Qual ruptura, qual carapuça. Eles no fundo entendem-se em (quase) tudo

Juncker ouve atentamente o que o alemão, em segredo, lhe lhe vai dizendo:
«Dá tu uma no cravo que eu dou na ferradura, a ver se esta "coisa" dura...» 
Em poucas horas surgem declarações que dão para todo o tipo de especulações. Schäuble, deu na ferradura e disse que Portugal, em conjunto com a Irlanda, é "a melhor prova" de que os programas funcionam, "e de forma mais eficaz do que muitos esperariam há quatro anos". Jean-Claude Juncker deu uma no cravo, como o combinado:"Pecámos contra a dignidade [da Grécia e de Portugal]"
Estou como o outro, com muito meu acordo, que diz:

6 comentários:

O Puma disse...

O outro foi o meu amigo Jerónimo

e tem razão

Majo disse...

~
~ Política de domínio esclavagista, em que países foram agraciados,
pelo mérito de deixaram o seu povo na miséria, pela regressão no
progresso e estagnação da economia.
~ ~ ~

Elvira Carvalho disse...

Mas na prática a eles não lhes interessa acabar com esta política. Afinal uma Europa em crise, é um euro mais fraco, e um euro assim é mais trabalho e riqueza para a Alemanha.
Um abraço e bom fim de semana

ematejoca disse...

O Wolfgang Schäuble é um arrogante "Arschloch"!!!

PORTUGAL tem também muitos "Arschlöcher" arrogantes e paraplégicos na cabeça.

Espero que o seu PARTIDO, camarada Rogério, nos traga uma brisa fresca como a Política Grega.

Graça Sampaio disse...

Esquentador inteligente? Vulcano... nunca Junker(s)...

Vou repetir: a Alemanha enquanto não iniciar uma III Guerra Mundial não descansa!

Lídia Borges disse...


"Com a verdade me enganas", bem se podia dizer dessa declaração do senhor Jean-Claude Juncker.
E eu a pensar que ela, a declaração, teria consequências práticas...


Bj