09 fevereiro, 2015

Redacções do Rogérito 22 - "Carta a uma stôra para ela me dar uma explicação sobre a municipalização da educação"

Tema da redacção: "Redigir uma carta"

Excelentíssima senhora stôra 
sei que a senhora  por ter dado bue de aulas e por ter sido já directora e por ter uma cara que embora só a tenha visto agora me diz que é de pessoa de não andar por aí a dizer o que não pensa e porque diz sempre o seu pensar venho-a consultar sobre o que se está a passar com a escola e com o estado dos outros stôres que estão quase à beira de andar a pedir esmola e a terem muitos dissabores mas que mesmo assim tocam cornetas pianos violinos e tambores a cantar cantigas de acordar.
Aquele senhor lá do ministério mais o outro que é maduro depois da outra senhora que também foi ministra andaram a preparar uma coisa sinistra e que é de empurrar as coisas da educação para uma vereação lá minha câmara municipal que até se queixa que está muito mal pois diz não ter sequer dinheiro para mandar cantar um cego mas que acham que se é para não pagar a educação tanto faz quem é  que não paga pois isso de não pagar parece que é o que está a dar e até deixa alguns stôres contentes como hoje foi feita uma demonstração  naquela manifestação onde nem sequer faltou maestro que foi assim muito diferente daquela outra em mortágua onde não se cantou nada e só houve mágoa. 
Na volta do correio diga-me lá stôra se não será melhor correr todos eles com uma valente vassoura pois senão a educação volta aos tempos da outra senhora.

Com um beijito
  Rogérito

9 comentários:

Graça Sampaio disse...

Querido Rogerito,
Já tinha dado conta que escreves redações muito bonitas. Se fosses meu aluno, terias sempre boas notas mesmo sem pores pontos nem vírgulas nem nada. O José também pouco usava a pontuação e ganhou o Nobel, não foi?...
Bom, mas relativamente ao caso que referes, tenho a dizer-te que ando muito triste com estas "novidades" porque acho que vão deitar abaixo todas as coisas boas que foram feitas ao longo de alguns trinta anos ou mais. Eu pensava que se tratava de mais uma forma destes senhores do "nosso" "governo" descartarem despesas que é o que eles mais têm feito. Mas ver os outros que eu mais ou menos sempre defendi afinarem pelo mesmo diapasão é que me deixou seriamente desagradada. Que raio! (esta expressão, Rogerito, não é própria de uma professora que deu aulas «bué da anos» mas,sabes, estou meso muito zangada!) A mim parece-me que esta é mais uma razão para o teu conhecido Mário pôr outros 200 mil professores na rua em manifestação contra estes (e os outros) "governantes. Que dizes?

Beijinhos aqui da prof.

Maria Eu disse...

Ai, Rogério, esta "setôra" anda com uma vontade de gritar! Vai estrebuchando mas o medo à sua volta é terrível...

Beijinhos, Rogério! :)

Lídia Borges disse...


Que falta fará um governo que não quer ter nada para fazer, que não seja recolher os colossais impostos que impôs, emagrecer salários, inventar estratégias pouco claras para controlar a vida das pessoas, sugar os parcos dividendos de tanto suor, tanta luta, tanta lágrimas?
Para que nos servem "governantes" destes?

Lídia



Majo disse...

~
~ ~ Graça, Bravo!

~ ~ Excelente resposta, bem ao nível do teu 'status'.

~ Os sindicatos são as únicas instituições que poderiam ter feito uma dura frente ao descalabro instalado.

~ Estamos com um ensino público desacreditado, em vias de descer ao nível do que se pratica nos países da América latina - prestes a formar a "escola dos pobres".
.

Fê blue bird disse...

Rogerito já vais na carta 22 e a situação na educação e não só, está cada vez pior.
Temos que reunir os alunos, os pais e as storas e tocar-mos juntos outra música, não achas ?

beijinho

O Puma disse...

Regionalizar o país

uma urgência

Graça Sampaio disse...

A querida maria eu não me conhece bem. Eu nunca tive medo de gritar nem de dizer aquilo que penso e defendo.

Ana Tapadas disse...

Ai...são feridas demais para não doer!

Beijinho (num mar de testes e de reuniões)

Agostinho disse...

Está história da municipalização da educação é um grande contribuição para a difusão da naior virtude nacional: a quintinha, o jeitinho, o inho, enfim, o portugalinho dos pequeninos.