13 junho, 2015

Dia de Santo António, uma data de uma célebre desgarrada e de outras coisas que eu me lembro...

Um quadro não é uma quadra. Mas lembra dezenas, em dezenas de comentários e em quase três milhares de espreitadelas, no top do ranking das visualizações. Ao post do top dei por nome «Santo António, à desgarrada: Leve um meu manjerico. Eu, com as quadras fico» e foram tantas as quadras trocadas, ficando-me (ainda) o odor popular dos versos delas. E foi assim os anos seguintes, um após outro, e outro
Mas este ano foi diferente. Não coloquei no beiral qualquer vaso. Não quero correr o risco de ficar com um manjerico  nem ter a decepção de não ter qualquer quadra. Talvez o tempo justifique a ausência de desgarradas e quadras. Talvez a data deva ser apenas lembrada pelo que vale a pena lembrar dela: O nascimento de Fernando Pessoa; as mortes de Vasco Gonçalves, de Álvaro Cunhal, de Eugénio de Andrade. Coincidências que nos marcam, no dia de Santo António, dado a folguedos.
_____________________________

 Era assim a minha janela, tal como eu a tinha quando me separei dela... se quiser deixar uma quadra, agradeço, mas não leva nada. Não por raiva ou desespero... sei lá, "eu hoje não me recomendo"!