19 maio, 2011

Diálogo quase poético, mas cheio de poesia...

É sabido o meu prazer de ler e de fazer comentários, quase sempre cuidados mas que me saem no momento... Escrevo o que me ocorre, conforme o pensamento. Podia trazer vários exemplos. Escolho este, porque houve um desencontro (e só por isso)
DESFILE
Banho-me na intensidade das cores que fogem dos vitrais.
Visto-me com os pontinhos coloridos.
Coloco o meu salto mais alto.
No rosto?
Ah! No rosto
Estampo o meu mais belo sorriso de desdém.
E, senhora de mim, parto sem olhar para trás,
Desfilando felicidade na passarela do arco-íris


PREPARADO PARA A VER DESFILAR
(meu comentário ao post DESFILE)
Ajeito o cabelo em atropelo
Mais difícil foi fazê-lo
com as ideias
(sobretudo com as mais soltas)
escolho as roupas
brancas, todas brancas,
do tom da alma
Coloco chapéu e laço,
ponho o coração do lado certo
do peito
asseguro a pulsação em ponto
e parto, convicto, firme
a caminho da passarela do encontro
Espera-me um sorriso de desdém

NÃO DESFILOU, FOI TOMAR CHÁ (com quem apareceu por lá)
Com o primeiro quero conversar e tomar chá em meio de um jardim repleto de preciosas flores de diversas tonalidades, texturas e com os mais belos aromas. Descanso.
Com o segundo quero conversar e plantar chá em meio a sua horta tão bem cuidada onde, ao final, ouviremos o canto dos pássaros a nos saudar a amizade. Confio.
Com o terceiro quero conversar e servir chá na mais bela baixela de prata, combinação perfeita a suas telas tão repletas de brilho e vida. Sorrio.
Com o quarto quero conversar e ouvir sobre as delícias do preparo do chá aula ministrada por suas estátuas tão lindamente ornadas em sua terra distante. Aprecio.
Com o quinto quero conversar e poetizar sobre o chá desfrutando da sua ousada companhia surgida das nuvens à bordo de um zepelin, todo vestido de branco e com uma flor nas mãos. Gosto.
Com o sexto quero conversar e ser bebida com o chá, quente e fumegante, em meio a uma noite de tempestade. Dissolvo.
Olho fixamente para as seis partes do todo e passo ao sonho.


ACHO QUE NÃO TENDO EU APARECIDO, A GISA TOMOU SEU CHÁ COM ALGUÉM MUITO PARECIDO

23 comentários:

  1. rrss rrss pois, por vezes acontecem coisas assim....

    Tudo de bom

    ResponderEliminar
  2. Querido Rogério:
    Desfilei e fui maravilhosamente recebida ao fim da passarela.
    Convidei-te para um chá, para comemorarmos o encontro e faltastes. No entanto e sem que soubesses - pois bem lembras que gosto de alguma magia - tua alma enfeiticei e exigi a presença. Submissa, mas com um encantador brilho irônico nos olhos, lá compareceu, ocasião na qual conversamos e poetizamos a respeito do tema proposto. Dos instigantes instantes. Gostei.
    Agora que me deparo com toda história assim nua nesta tela de um diálogo quase poético, mas cheio de poesia, sou forçada a te inquirir, pois sinto um quase arrependimento de tua parte com relação a tua ausência corporal no primeiro momento (pretensão minha convicta), queres um novo convite para tomar chá? Ou ainda preferes que só a tua alma siga na minha companhia (sim,porque esta não devolvo, não adianta insistir!).
    Aguardo a resposta.
    Muitos beijos querido amigo

    ResponderEliminar
  3. É tão íntimo este seu post meu amigo, tão cheio de poesia e cumplicidade, que me sinto um pouco "sem jeito" de comentar.
    Mas sou também uma sua testemunha de defesa ;) do seu jeito único de ler e fazer comentários.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Li tudo o que escreveu
    Se mais houvesse mais lia
    Quem é que afinal não sabe
    Do seu comentar com poesia?

    Mas nos intervalos
    belos
    idealizados
    para serem desfrutados
    a dois
    os comentários alheios
    devem ficar
    para depois.

    Sabendo isso não quero
    vir causar qualquer revés.
    Vou sair bem de mansinho
    pisando devagarinho
    no meu sapato baixinho
    e bem em bicos dos pés.

    ResponderEliminar
  5. Somos mesmo um povo de poetas! Gosto!

    ResponderEliminar
  6. Sinto-me uma estranha no meio desta intimidade tão poeticamente poetizada!

    Abraço

    ResponderEliminar
  7. TEATRINHO: "Reflexão, sobre a intimação de Gisa"

    Minha Alma - Tás feito, ela não se contenta só comigo...

    Meu Contrário - Ela quere-te de corpo inteiro, não sei se adianta andares a trocar-lhe as voltas o tempo todo. Ainda te toma por tolo

    Eu - Escusam de apertar comigo. Sei ler o que ela escreveu... Está decidido. Parto amanhã mesmo. Não sei ainda com que identidade. Se serei mesmo o Pessoa, o Ricardo Reis, o Álvaro de Campos ou Alberto Caeiro. Acho que irá ao chá quem acordar primeiro

    Minha Alma e Meu Contrário (em coro) - Lá tás tu a divagar

    CAI O PANO (deste acto)

    ResponderEliminar
  8. BARULHO PARA TROCA DE CENÁRIO
    CONVERSAS ABAFADAS
    TOCA A CAMPAINHA
    SOBE O PANO
    UMA MESA COM TOALHA RENDADA BRANCA
    DUAS CADEIRAS BRANCAS
    FUNDO BRANCO
    LUZ BRANCA
    BAIXELA DE PRATA SOBRE A MESA
    FUMAÇA SAINDO DO BULE

    - Já são horas e ele não chega! Será que vai faltar novamente? - disse ela à alma sorridentemente acomodada no canto da cena a ler poemas de Pessoa.
    - Calma – responde a figura translúcida – ele chega. É um pouco atrapalhado, mas chega. Ainda mais que não posso ficar aqui para sempre, ele tem que vir me buscar.
    - Como assim? Você fica, não abro mão - e alcança-lhe outro livro desta vez de Álvaro Campos.
    - Assim você me ganha e com isso já é meio caminho andado, não é mesmo?
    A ALMA LEVANTA-SE E CORRE ATÉ A JANELA, GRITANDO:
    - Olha o Zepelin!!!

    AS DUAS SORRIEM
    CAI O PANO (final do segundo ato)

    ResponderEliminar
  9. LEVANTA-SE O PANO, CENÁRIO COMO NO SEGUNDO ACTO, MAS COM ORIENTAÇÃO DIFERENTE, VENDO-SE DE UMA JANELA, NÃO O ZEPELIM MAS UMA BELA PASSAROLA (igual à que dela fala José Saramago)

    Fernando Pessoa (entrando e sem olhar para ela), diz como que declamando:

    O amor, quando se revela,
    não se sabe revelar.
    Sabe bem olhar p'ra ela,
    mas não lhe sabe falar.

    Quem quer dizer o que sente
    não sabe o que há de dizer.
    Fala: parece que mente.
    Cala: parece esquecer.

    Ah, mas se ela adivinhasse,
    se pudesse ouvir o olhar,
    e se um olhar lhe bastasse
    pra saber que a estão a amar!

    Mas quem sente muito, cala;
    quem quer dizer quanto sente
    fica sem alma nem fala,
    fica só, inteiramente!

    Mas se isto puder contar-lhe
    o que não lhe ouso contar,
    já não terei que falar-lhe
    porque lhe estou a falar...

    Depois deste monólogo, Fernando Pessoa (Eu), aproxima-se do chá, serve-se sem pôr açúcar e bebe-o pausadamente, olhando o público de frente. Vira-se, esboça um sorriso a Gisa e sai como tinha entrado. Antes de deixar de se ver, tropeça no estrado e quase cai estatelado.

    CAI O PANO (fim do terceiro acto)

    ResponderEliminar
  10. MUDANÇA DE CENÁRIO
    UMA JANELA QUE SE ABRE SOBRE UM JARDIM
    MUITO CORRE-CORRE POR TRÁS DO PANO
    ALGUNS BARULHOS SURDOS
    SOA A CAMPAINHA
    SOBE O PANO

    ELA NA JANELA DEBRUÇADA E ELE A OLHAR PARA O PÚBLICO FINGINDO NÃO SE DAR CONTA DO QUE OCORRIA ATRÁS DELE

    ELA SUSPIRA PROFUNDAMENTE
    ELE SORRI CONVENCIDO
    MAS CONTINUA A IGNORÁ-LA
    ELA SUSPIRA NOVAMENTE E FALA SOZINHA, COMO SE FOSSE PARA SI MESMA, DESCONSIDERANDO ELE, A PLATEIA E A ALMA QUE MUITO CONTRARIADA VAI SENDO ARRASTADA POR ELE, SEM PIEDADE.

    Sou eu, eu mesmo, tal qual resultei de tudo, 
     Espécie de acessório ou sobressalente próprio, 
     Arredores irregulares da minha emoção sincera, 
     Sou eu aqui em mim, sou eu. 
     Quanto fui, quanto não fui, tudo isso sou. 
     Quanto quis, quanto não quis, tudo isso me forma.
     Quanto amei ou deixei de amar é a mesma saudade em mim.
     E, ao mesmo tempo, a impressão, um pouco inconseqüente,
     Como de um sonho formado sobre realidades mistas,
     De me ter deixado, a mim, num banco de carro elétrico,
     Para ser encontrado pelo acaso de quem se lhe ir sentar em cima.
     E, ao mesmo tempo, a impressão, um pouco longínqua, 
     Como de um sonho que se quer lembrar na penumbra a que se acorda, 
     De haver melhor em mim do que eu.
     Sim, ao mesmo tempo, a impressão, um pouco dolorosa, 
     Como de um acordar sem sonhos para um dia de muitos credores, 
     De haver falhado tudo como tropeçar no capacho, 
     De haver embrulhado tudo como a mala sem as escovas, 
     De haver substituído qualquer coisa a mim algures na vida. 
     Baste! É a impressão um tanto ou quanto metafísica,
     Como o sol pela última vez sobre a janela da casa a abandonar,
     De que mais vale ser criança que querer compreender o mundo —
     A impressão de pão com manteiga e brinquedos
     De um grande sossego sem Jardins de Prosérpina,
     De uma boa-vontade para com a vida encostada de testa à janela,
     Num ver chover com som lá fora
     E não as lágrimas mortas de custar a engolir.
     Baste, sim baste!  Sou eu mesmo, o trocado,
     O emissário sem carta nem credenciais,
     O palhaço sem riso, o bobo com o grande fato de outro,
     A quem tinem as campainhas da cabeça
     Como chocalhos pequenos de uma servidão em cima.
     Sou eu mesmo, a charada sincopada
     Que ninguém da roda decifra nos serões de província.
     Sou eu mesmo, que remédio!...

    AO OUVIR AS PALAVRAS DE ÁLVARO DE CAMPOS FICOU IRRITADO!
    COMO PUDERA ELA APRISIONAR SUA ALMA JUNTO A ELA E ÁLVARO DE CAMPOS DENTRO DE SUA BOCA?!
    QUE PODER TINHA ELA PARA TANTO?
    UM DIA TERIA QUE PENSAR SOBRE ISSO, UM DIA PENSARIA...QUE REMÉDIO!...

    SAI ARRASTANDO A ALMA QUE CHORA DE SAUDADES DO REGAÇO DA FEITICEIRA...

    SOZINHA, ELA CHORA COM A DECEPÇÃO DA PARTIDA. TUDO PODERIA TER SIDO DIFERENTE. PRECISAVA ÁLVARO DE CAMPOS SE MANIFESTAR, PRECISAVA?! TINHA QUE DAR UM CORRETIVO NELE PARA QUE ISSO NÃO MAIS ACONTECESSE...

    CAI O PANO (final do 4º ato)

    ResponderEliminar
  11. Bem, que hei-de eu dizer após quatro actos duma peça a que assisto, encantada, na plateia?
    Gostei da inspiração destes autores/actores/encenadores.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  12. Olá Rogério,
    Leio, assisto, aplaudo e fico por aqui mais um pouco, porque há algum tempo não o faço.
    Deixo antecipado o meu kandando e vou-me entreter por aqui mais um pouco.

    ResponderEliminar
  13. MUDANÇA RADICAL DE CENÁRIO. NESTE APARECE UM DESERTO COM UM LONGINQUO OÁSIS DESENHADO, PARECENDO SOBRE A AREIA DESENHADO. a CENA COMEÇA COM UM MENINO MEIO DESPIDO, QUE TODOS RECONHECEM SER CUPÍDO

    Cupido (fazendo um gesto apontado o deserto, à boca de cena): Isto não é o deserto, nem aquilo é um oásis. Representam a alma do poeta e seu único amor conhecido. Sofreram ambos, um mais que o outro. Mas no fundo deram-me tão pouco que fazer
    Moliere (aparecendo a correr): Cheguei muito atrasado para dar as pancadas de abertura deste espectáculo.
    Cupido: Não faz mal, dá-as no final

    Cai o pano a ritmo sincopado com o bater de Moliere a dar o espectáculo por terminado

    Sincopadas também as palmas da assistência...

    ResponderEliminar
  14. Deixemos Fernando, Ofélia e Álvaro de lado. Tenho que foi um prazer inenarrável ter contracenado com você.
    Um bj querido amigo

    Uma simples lembrança de coração
    http://lerescrevereviver.blogspot.com/2011/05/opera.html#comments

    ResponderEliminar
  15. Minha cara amiga, pouco se sabe dos afectos entre Fernando Pessoa e Ofélia. Para mim, bem podia serem assim, como os descrevemos (e vivemos?),dramatizámos e encenámos. Esta versão, não sendo oficial, serve-me. Quanto ao seu texto, no seu post, guardá-lo-ei num lugar particular, no meu baú de memória afectivas entre aquelas que jamais serão esquecidas

    ResponderEliminar
  16. Caro rogério
    sujeita-se a que os comentários sejam melhores que os posts
    mas o que seriam os posts sem os comentários
    ...
    mas isto seria outra história

    muito bom
    à Gisa também

    ResponderEliminar
  17. Quando os comentários são fruto do momento e reflectem o que o pensamento, fonte inesgotável de criação, tece no impulso... o que se diz ou escreve, só pode acrescentar-se ao já exposto. Essa é sempre a melhor parte.
    Aquela em que nos acrescentamos...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  18. Rogério/Gisa, sinceros parabéns por este "duelo cultural" que muito serviu para aumentar o nosso prazer na leitura da postagem.
    Adorei o talento dos dois.
    Um abração.
    Manoel.

    ResponderEliminar
  19. Rogério e Gisa, tenho o prazer de seguir os dois, a Gisa quase diariamente e já ter lido alguns destes textos poéticos. Tudo o que se seguiu, continuou a ser excelente!

    Um grande abraço aos dois.
    oa.s

    ResponderEliminar
  20. Desejei que a cortina não se fechasse, frente a tão belas interpretações. E só me restava aplaudir, esperando que outra apresentação se fizesse, independente do tema abordado.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  21. Faço minhas as palavras da Marlene.

    Bom fim de semana

    Beijo

    ResponderEliminar