05 maio, 2011

Um dia alienado (esquecendo um desgosto Luso), num botequim, num outro lado onde se fala esta lingua (hoje lembrada)

.
Entro do botequim e sinto os olhares fixados em mim. Evito espelhar no rosto que sou do outro lado do mar e o que me fez ali entrar. Evito também mostrar este desgosto. Apetece-me um aconchego canarinho, um seu carinho. Faz-me falta o apoio desta gente, ouvir de maneira diferente a lingua portuguesa (hoje lembrada).
_________________________________________________
Vou aproveitar para escrever o post seguinte... Será um post denso, extenso, tenso, sem humor nem ironia. Será um post sobre o meu país, escrito no ambiente atraente de uma conversa de botequim
.

.
Outras versões existem (Chico Buarque, Maria Rita), mas esta é tão bonita...