24 maio, 2011

Afinal apareceu... nem sei como aconteceu (os comentários é que se esfumaram...)

Lembram-se do post que me deu trabalho e desapareceu roubado? Deu à costa. Nem sei como foi. Apareceu e pronto. Não é de um gajo ficar tonto? Porque o reconstruí parcialmente (ver aqui), apenas repito a introdução com nova pintura de Jerónimo...Bosch.
"Chama-se a atenção para os valores da ética. Quem deve paga. Paga o que deve, quem deve. Mas quem deve? Não é conhecido o motor gerador de tanta dívida, nem os seus operadores. Alguns dizem, com veemência, que terá sido quem viveu acima das suas possibilidades e que todos somos culpados. Outros, que terão antes sido os que fomentaram e promoveram a cultura do consumismo, lucrando com os negócios. Estes terão grande parte das culpas dentro da culpa geral. Os negócios, esses, foram dentro da ética e em conformidade com os seus valores. O problema terão sido os excessos. Quem assim não pensar sai fora do paradigma do entendimento normal, passa a ser um anormal e, como tal, deverá ser ou marginalizado ou omitido, porque tudo o que dirá (por repetitivo) deixa de fazer sentido. Chegamos assim, perto da bancarrota e, mais uma vêz com toda a límpida ética, foi "negociado" o resgate da dívida. Foi um bom acordo, dizem uns. Foi o acordo possível, dizem outros. Atendendo à crise, foi uma inevitabilidade, dizem em coro uns e outros. Quem assim não pensar sai fora do paradigma do entendimento normal da inevitabilidade inevitável. Reestruturar a dívida? Sabem o que isso significa? Significa a catástrofe e, pior, significa deixar de ser reconhecido nas relações internacionais como país com ética. Seriamos um país caloteiro. Quem pensar o contrário nem merece ser falado quanto mais escutado." - Foi exactamente isto que escrevi.

PORQUE O TEMA VEM A CALHAR, VEJA-SE TAMBÉM ISTO E MAIS ISTO (a pouco e pouco vamos sabendo o que aconteceu à nossa economia)