07 setembro, 2016

Com as aulas à porta, vamos ao que importa!

«As crianças merecem ter tempo para serem crianças, para brincarem, conviverem, descobrirem, merecem aprender a pensar pelas suas cabeças e serem críticos com o que lhe estão a ensinar, merecem aprender a respeitar os outros e a si próprios,  e sobretudo, merecem ser felizes!»
As palavras citadas foram escritas num espaço recomendado - "Sustentabilidade é Acção" - e são oportunas agora, a uma semana do inicio da escola.
Na foto: o Duarte, a Maria e o Diogo. Eles jogam um jogo e o Duarte explica, provavelmente, as regras de um cessar fogo, pois os exércitos estão apartados e os tanques virados para outros lados. É impossível evitar que joguem jogos de guerra, pois a violência está generalizada, na realidade e em tudo a que acessam.
Perdi há muito a ligação com os conteúdos do ensino, mas julgo que fotografei uma lição que devia ser repetida em sala de aula. Como se negoceia a paz, é um bom tema. Se não se fala disso é pena. Como começa a guerra, é outro bom tema. Pode-se até pegar numa zaragata para se fazer entender que uma guerra pode se iniciar num pequeno nada, dentro de um enquadramento mais complexo que, mais tarde, noutro programa mais avançado, poderá (poderia) ser explicado.
Partir das regras de um jogo para o ensino poderia (poderá) ser o caminho. Pegar na sala de aula e despejá-la no recreio podia ser o mesmo caminho, em sentido inverso. Pôr a brincadeira no centro seria (será) de bom-senso.
É o que parece acontecer num um ensino centrado na criança, num país avançado...