22 julho, 2010

Metamorfose - I

METAMORFOSE - I
(autocritica levemente avinagrada)

Tirei este sorriso que trago
entre o nariz e o pescoço
e meti-o no bolso
Rodei o coração
para outra posição
Sem saber onde pôr a alma,
metia-a numa gaveta
ao lado da utopia
que a abraçou
num gesto que há muito não via
(por certo já desesperada
de não ver ninguém,
e aí estar abandonada
ainda me lembra por quem)
Então, pus as mãos sobre o teclado
e, em dois cliques, passei-me para o outro lado.
Deixei coisas por fazer, outras por iniciar
e, sem sorriso, sem coração nem alma
(só eu e o meu cérebro)
começo a navegar

--
Postei
comentei,
naveguei,
sem qualquer mar,
sem ver nem temer,
por onde navegar...
Encontro poetas,
comento coisas belas,
(outras nem tanto),
embalo em canções,
enxugo este
e aquele pranto...
Quando acabo e a alma me volta,
lá fica a utopia,
na gaveta,
quase morta...
Do meu intimo, bem lá do fundo,
sussurra-me a consciência:
"Seu tonto, não é assim que se muda o Mundo"

15 comentários:

  1. Primeiro vai-me explicar a técnica de "passar para o outro lado" e viajar entre computadores, devo levar casaco de Inverno ou roupa de Verão? lanterna? ;)

    Mas agora a sério, como diz o Carlos, ajuda.
    Efeito Borboleta, ... o bater de asas de uma simples borboleta que pode influenciar o curso natural das coisas e, assim, talvez provocar um tufão do outro lado do mundo... pode ser bem capaz, de ter um fundo de verdade ;)

    Bjos

    ResponderEliminar
  2. Rogério,
    O Mundo também se muda influenciando quem está à nossa volta. Pessoalmente, gosto do que escreve, da forma como o faz e dos conteúdos que me dá. Não é de passar a correr pelos seus textos e aprendo muito com eles. Não desiata!

    Beijos

    ResponderEliminar
  3. oops...será que o blogger não registou o comentário?

    ResponderEliminar
  4. Vou refazê-lo... Mudar o mundo...é um projecto muito ambicioso...a nossa alma anda sempre abraçada á utopia (adorei essa sua imagem). Mas há pequenos gestos que podem não derrubar governos, mas vão mantendo árvores em pé...
    E olhe, esse sorriso foi a primeirinha coisa em que reparei. Mais a alma nas suas palavras. Talvez a gaveta não fique muito bem fechada...
    Keep rolling!
    Gosto mesmo do que escreve!
    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Como assim? E as areias na "engrenagem"?

    ResponderEliminar
  6. Perante os pessimistas e os desistentes, costumo dizer que já sei há muito que não posso mudar o mundo. Mas posso mudar muitas coisas pela minha acção e persistência. E sei, sem ser uma convencida, que ajudo a fazer a diferença.
    Todos não somos demais!

    ResponderEliminar
  7. Apetece-me dizer-lhe qualquer coisa do tipo - seu tonto, o mundo não se muda, transforma-se - mas a única coisa que me ocorre, é dizer-lhe - que bom que é ler as suas palavras avinagradas de novo. Que bom mesmo!

    Um beijinho :)

    ResponderEliminar
  8. Pode não conseguir mudar o Mundo, mas o facto de ter o privilégio de o ler e de ter os seus comentários no meu cantinho, já mudou o meu Mundo!
    Conseguiu escrever quase em jeito de poesia o que sente quando "navega" neste "mar".
    Continue pois a:

    Postar
    comentar
    e navegar
    no seu mar.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. veia poetica veio visitar-nos... Gostei.

    ResponderEliminar
  10. Uttopia na gaveta, quase morta. Foi o PS que a meteu lá e você não é melhor ao deixa-la no mesmo sitio.

    De qq forma acho que deve continuar o seu projecto. Talvez venha a contribuir para o renascer da utopia!

    ResponderEliminar
  11. Não devemos querer salvar o mundo

    só ajudar

    ResponderEliminar
  12. "Quando acabo e a alma me volta,
    lá fica a utopia,
    na gaveta,
    quase morta..."

    Caro Rogério

    O que seriamos nós sem a utopia, vamos lá abrir as gavetas com força, até saltarem dos trincos e deixar salta-la cá para fora...
    Abraço

    ResponderEliminar
  13. Amigos,
    Agradeço tantas palavras de apreço e estimulo. Apenas dois reparos, que vou acatar e um deles comentar..

    Mar Arável, pede arado
    P´ra sementes germinar
    Que ninguém o faça sózinho
    Seremos milhares a ajudar

    Abraço a todos

    ResponderEliminar