14 julho, 2010

Isaltino: Acórdão da relação suaviza penas de autarca de Oeiras

AVISO PRÉVIO - Entre este post e o seu título, qualquer relação é pura coincidência

Na sociedade portuguesa está a acontecer algo que tende a instalar-se nos comportamentos como uma nova ética. Claro que ainda não está formalmente assumido mas, em termos da prática corrente da nossa cidadania e das instituições, já é aceite. Cerca de 63 por cento dos portugueses toleram a corrupção desde que produza efeitos benéficos para a população em geral. A maioria dos portugueses elege maiorias parlamentares que inibem legislação apertada contra a corrupção ou produzem-na de forma a que os tribunais possam, sobre um mesmo caso, decidir "assim" ou "assado", ou até mesmo e em passo seguinte, que é "frito". Depois, e se necessário for, tomar uma decisão final determinando que é "cozido". A democracia não penaliza as situações nem os seus agentes e, como é o povo que legitima tudo, tudo está legitimado dentro de um novo quadro de valores que se foi instalando...

Por isso, verte a minha Témis lágrimas de sangue. Por isso, as desigualdades vão-se acentuando perante a complacência de maiorias cada vez mais reduzidas, pois o êxodo da população ameaça a desertificação de grandes áreas do território...


Mas eu, eu não deserto nem desisto. Tenho esperança que a impotência daqueles meus deuses venha a ser superada por outros deuses. E, senão por esses, outros virão. A marcha da humanidade ensinam-nos que existem períodos, longos e tristes, de injustiça tremenda. Mas há, tem havido, forças para contrariar a adversidade...

Para me ajudar, aqui na blogosfera (fora dela resisto de outra forma), fui encontrar na mitologia egípcia uma parceira que me dá esperança. Aceitou colaborar na minha Missão. Chama-se Maat é a deusa da Verdade e do Equilíbrio.
É uma mulher jovem lindíssima, que exibe na cabeça uma pluma. É filha de , o Deus do Sol e esposa de Tot. Com a pena da verdade, ela dispõe-se a pesar as almas de nós todos e, a meu pedido, todos passarão por aquilo que ela chama de Salão de Julgamento subterrâneo. Colocará a pluma na balança, e no prato oposto o coração de cada um de nós, depois de falecermos. Se os pratos ficarem em equilíbrio, o morto em causa pode festejar com as divindades e os espíritos da morte, todos eles lindos. Entretanto, se o coração for mais pesado, ele será entregue a Ammut.

Ammut devorará todos esses corações. Ele é o Deus do Inferno, que é parte hipopótamo, parte leão, parte crocodilo.
Tenho a certeza que Ammut irá engordar com tanto coração mais pesado que a pena da minha deusa Maat... Termino com uma citação das suas sábias palavras da:

"Se és líder e diriges os assuntos de uma multidão, esforça-te por alcançar toda virtude até que não haja mais falhas em tua natureza."

Extraído de um texto que pode ler aqui

SE NÃO QUER VER SEU CORAÇÃO DEVORADO

E DO CONVIVIO DOS DEUSES SER PRIVADO,

LEVE O SELO DA MINHA MAAT, (ELE SERÁ A SUA SALVAÇÃO)...