21 dezembro, 2016

É Natal, é Natal, ninguém me deve levar a mal


Tenho usado Banksy para apontar a contradição dos católicos e de mim próprio. 
O mundo já não é o que era quando Cristo nasceu nem mesmo o mundo é já aquele em que eu era miúdo. 
O mundo já não é o que era quando Cristo foi erguido na cruz, nem é o mesmo daquele que eu me lembro. 
Acho que o que estou escrevendo não será propriamente uma novidade. Mas se eu disser que uma qualquer Popota  se irá tornar a grande amiga das crianças passando o pai de Natal a ser um personagem burlesco de Carnaval, vão se admirar... Penso até que se irão insugir.
E Cristo? Ah, esse menino cada vez mais fora do protagonismo mesmo com o ritual da Missa do Galo.

Os presentes? Tarde ou cedo serão armas de arremesso...


Por enquanto hoje são ainda "coisas" pacíficas...