21 dezembro, 2016

É Natal, é Natal, ninguém me deve levar a mal


Tenho usado Banksy para apontar a contradição dos católicos e de mim próprio. 
O mundo já não é o que era quando Cristo nasceu nem mesmo o mundo é já aquele em que eu era miúdo. 
O mundo já não é o que era quando Cristo foi erguido na cruz, nem é o mesmo daquele que eu me lembro. 
Acho que o que estou escrevendo não será propriamente uma novidade. Mas se eu disser que uma qualquer Popota  se irá tornar a grande amiga das crianças passando o pai de Natal a ser um personagem burlesco de Carnaval, vão se admirar... Penso até que se irão insugir.
E Cristo? Ah, esse menino cada vez mais fora do protagonismo mesmo com o ritual da Missa do Galo.

Os presentes? Tarde ou cedo serão armas de arremesso...


Por enquanto hoje são ainda "coisas" pacíficas...


13 comentários:

Maria Eu disse...

A "coisificação" é uma realidade. Veja-se o ridículo do cumprimento de promessas de outrem.
Resta-nos a consolação de que nem todos pensam assim.

Beijinhos e votos de uma Boas Fetas, Rogério :)

Rogerio G. V. Pereira disse...

Sim, consolação essa.
Mas de tão pouca, pouco pesa...

Boas Festas , Maria Tu

Anónimo disse...

Ui, a mercantilização de tudo e mais alguma coisa, incluíndo a cultura e a arte, que é onde eu mais me cruzo com ela, desde este meu espaço tão, mas tão mais limitado do que aquilo que me parecia nos primeiros dias online... lá por fora, mal dou por ela. Pouco saio, como sabes, e agora nem televisão tenho...

Mas continuo a desejar-te um Feliz Natal, enquanto ele não pode ser "quando um homem quiser"...


Maria João

ematejoca disse...

BANKSY é sempre bem-vindo: no NATAL, na PÁSCOA e noutros acontecimentos do género.

Sabes, camarada Rogério, quando Jesus nasceu? E quando Cristo foi erguido na cruz? Eu não sei!

Graça Sampaio disse...

Uma forma bem mais atual
de vermos o Natal...

Infelizmente...

Beijinhos e tudo bom para vós nesta quadra
e nas outras que vêm à frente...

Rogerio G. V. Pereira disse...

Árvore, Estrelas, fitas, bolas e berloques
Fatias douradas, azevias, filhós, coscorões
Dá-se, no centro de mesa, os últimos retoques
E fingem-se santas emoções

Época cínica, esta

Rogerio G. V. Pereira disse...

Tudo de bom, Graça

ematejoca disse...

Deixei aqui um comentário que não ficou publicado. Vou tentar mais tarde escrever outro comentário sobre o tema. Para já, quero ver se este fica.

Rogerio G. V. Pereira disse...

Jesus terá nascido
uns anos antes de Cristo
e terá morrido
33 anos depois disso

Se encontrar Banksy, pergunto-lhe

Rogerio G. V. Pereira disse...

Já tá lá

mas ia-me escapando!

ematejoca disse...

Uma história muito antiga, mas sem provas de ser verdadeira. E Banksy está-se nas tintas para a história de Jesus. Ele é ateu.

ematejoca disse...

Às vezes escrevo um comentário sem o publicar, por esquecimento.

Fê blue bird disse...

Ninguém o pode levar a mal, quando vemos o Natal transformado numa coisa banal.

Beijinho