23 fevereiro, 2011

Ela, filha de ninguém. Eu, pai de gente ausente...

Sugiro uma reflexão ao texto seguinte e aos comentários respectivos:
SHE: "Geração à rasca": "Sinto-me filha de ninguém.Cria de geração sem nome, sem referência, sem causa, sem mote.Por alturas de Maio de 68 ainda não sabia ler nem e..."

(clique no link, para continuar a ler)