19 setembro, 2011

Metamorfose - V (Pedra, depois pó e finalmente vida)


Olhei a pedra
Fria, Estúpida, Parada
Calada
De tanto a olhar, julguei-a bela
transformei-me nela
Frio, Estúpido, Parado
Calado
Sem destino sequer
de pedrada no charco
Sujeito à degradação do relento
e à erosão do vento
em breve serei pó

Não olhes para mim, assim
Mexe-te, ao menos

A pouco e pouco se mexeram
e num repente
o Mundo assistiu
ao despertar das pedras
_________________Rogério Pereira

NOTA DO AUTOR:  A parte escrita a verde, é uma acréscimo posterior à edição original. Segundo os primeiros comentários, não se espera de mim mensagens negativas nem derrotistas. Eu concordei e como um poema não se emenda...  

21 comentários:

  1. " de tanto a olhar, julguei-a bela"

    Gostei.

    :))

    ResponderEliminar
  2. Gostei do poema, mas não vejo o Rogério a ficar parado, calado, ...

    Serena noite

    ResponderEliminar
  3. Mexeu, sim ...
    olhar as pedras, elas não nos incomodam, não é...
    e de tanto olhar pensei que era uma companheira,e assim será um dia, se virar pó, se o tempo agir sobre ela .
    Ai, fiquei a ver navios...em vez das pedras.Me confundi toda.
    Um beijo do Brasil, Mery

    ResponderEliminar
  4. O que acabo de ler está em perfeita sintonia com o seu acto de cidadania.
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  5. Até entendo o que escreve.

    Não concordo, de maneira nenhuma com o "Frio, Estúpido, Parado Calado".

    Arranje uns antónimos...

    Vá, Rogério,

    "Não olhes para mim, assim
    Mexe-te, ao menos",

    arranje-os que o caracterizam muito melhor !

    Beijo

    ResponderEliminar
  6. Isso era
    na era
    em que fui pedra

    Depois
    Houve o despertar

    Acredite quem acreditar
    Haverá (vai chegar)o tempo
    do despertar das pedras

    ResponderEliminar
  7. Mexo-me sim
    Danço em volta tua
    Pedra fria, estúpida, parada e calada
    Voo sobre essa aura estática que ostentas
    E com o meu vento.
    Antecipo a tua erosão
    Afastando todo o pó que se acumulou em ti
    Durante os anos ao relento.
    Esculpo-te com cuidado
    Cuido dos menores detalhes
    Faço-te novamente imagem humana
    Satisfeita com o resultado, sorrio
    Enquanto te aqueço com meu corpo e envolvo-te em meus beijos
    Até devolver-te inteiramente a vida tua
    Que havia guardado, sorrateiramente, em mim.

    ResponderEliminar
  8. Senti alívio com os versos em verde! Mas os anteriores já anunciavam que o pó não se faria! Ainda que demore, as pedras despertarão. Tenho confiança nisso. Belo poema e mensagem linda e necessária!

    Girassóis nos seus dias!
    beijos

    ResponderEliminar
  9. Admiro a sua persistência na eterna luta pelo despertar das pedras...e o próprio poema está muito giro e é a cara do Rogério que é porta-vos de um farol das suas maiores convicções... beijinho

    ResponderEliminar
  10. Pedras
    despertai

    ... e que não sejam poucas

    ResponderEliminar
  11. Nem as pedras aguentam tanto adormecimento!

    ResponderEliminar
  12. Gostei muito do despertar das pedras.
    E deixa-me agradever-te o comentário no Escrito a Quente, que tão bem me soube. Obrigada.
    :-)
    Beijos.

    ResponderEliminar
  13. Olá Rogério,

    "...Com a experiência,
    Passa a ser lapidada.
    O tempo dirá o valor,
    Da pedra rara encontrada."

    Já me senti pedra, e ás vezes ainda esfrio ou solidifico como tal...mas passa.

    Obrigada pelas palavras, adorei!

    Beijo meu

    ResponderEliminar
  14. Rogério.

    Segundo a sua nota, um poema não se emenda. (concordo)

    Como o meu amigo mudou o seu parecer, porque derrotista não
    quis ser, de verde coloriu o despertar das pedras.

    "Mexe-te, ao menos"

    Perante tal exortação como poderia eu ficar fria, parada, estúpida e calada...?

    Eis o meu despertar:

    A tinta verde cria jardins
    onde nascem ilusões
    Desperta pedras
    onde brilham letras
    Palavras feitas
    de constelações.

    Pó seremos, mas imortais
    só vós... poetas!

    Um abraço ao poeta.

    Janita

    ( Peço-lhe a benevolência de entender que as pedras não têm todas o mesmo despertar...))

    ResponderEliminar
  15. Gostei do poema, Rogério.
    Vai perdoar-me, mas gosto mais dele sem a parte escrita a verde.

    Abraço

    ResponderEliminar
  16. Esperemos então pela metamorfose aconteça.

    Ana Sofia

    ResponderEliminar
  17. Rogério, gostei muito do poema. Mas as pedras que são pedras jamais sentirão.

    Um abraço
    oa.s

    ResponderEliminar
  18. Pergunta-me qualquer coisa sobre essa pedra
    Essa pedra «Fria, Estúpida, Parada»
    Talvez charco rijo, ilegível
    Sem água sequer!
    Pergunta-me qualquer coisa sobre essa pedra
    Para que eu saiba calada
    O antedizer lunar da falésia
    À erosão do vento pedra!
    Pergunta-me qualquer coisa sobre essa pedra
    Possivelmente sabes o que quero que me perguntes…
    E provavelmente sabes o que te quero perguntar…

    ResponderEliminar
  19. lendo o que ainda nao tinha lido.

    gostei!

    um beij

    ResponderEliminar