16 setembro, 2011

Mia Couto, de inteiro corpo (não escondido por trás da obra que lhe admiramos)

No blogue "O Cheiro da Ilha", a Maria colocou um post: Mia Couto falando "sobre o medo". Resolvi edita-lo aqui. Outros amigos, (alguns recentes) tinham postado também sobre obra sua dedicando-lhe a merecida atenção. Atenção que agora reclamo para as suas palavras (a ouvir até ao fim)

:"O cidadão que o escritor é não pode ocultar-se por trás da obra. Ela, mesmo importante, não pode servir de esconderijo para dar ao autor uma espécie de boa consciência graças à qual ele poderia dizer que está ocupado e não tem tempo para intervir na vida do país."
Palavras do meu mestre, que Mia Couto segue à risca. Que outros lhe sigam o exemplo. Mais do que nunca o mundo disso está carente.